Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Copa do Brasil

Notícia da edição impressa de 01/02/2018. Alterada em 31/01 às 23h49min

Burocrático, Inter empata com o Boavista e avança

Time garantiu a vaga à segunda fase ao ficar no 1 a 1 com os cariocas

Time garantiu a vaga à segunda fase ao ficar no 1 a 1 com os cariocas


RICARDO DUARTE/INTER/DIVULGAÇÃO/JC
Enfrentando um Boavista que entrou em campo com todos os jogadores de linha reservas, o que se esperava do Inter na noite de ontem, em sua estreia pela Copa do Brasil, era uma clara superioridade e uma vitória tranquila em Cascavel. O que se viu, porém, não foi nada disso. Repetindo o mesmo futebol visto nas duas últimas temporadas, um Colorado sem criatividade conseguiu a vaga para a segunda fase do torneio ao empatar em 1 a 1, mas deixou muito a desejar no futebol apresentado.
O Inter teve o domínio na primeira etapa. Entretanto, tal controle não resultou em claras chances de marcar. As dificuldades de sempre se repetiram: falta de articulação ofensiva, ausência de aproximação entre os atletas, transição defesa/ataque lenta e óbvia e abuso do "chuveirinho" na área carioca buscando Leandro Damião.
Um exemplo da dificuldade em encontrar soluções ofensivas por parte do time de Odair Hellmann pôde ser visto aos 35 minutos: depois de rodar a bola de um lado o outro na intermediária do Boavista sem conseguir a penetração, o zagueiro Victor Cuesta resolveu arriscar de fora da área. A bola passou longe do gol de Rafael.
Com um pouco mais de iniciativa, o Colorado fustigou mais a defesa adversária na etapa final. E foi assim que chegou ao gol aos 12 minutos. Damião foi à linha de fundo pela direita da área e cruzou. No lado oposto, D'Alessandro escorou de primeira para Pottker chegar batendo e fazer o 1 a 0.
O gol, entretanto não mudou a cara da partida. Um Inter burocrático, sem criatividade com seus três volantes contra os reservas do Boavista, não conseguiu pressionar os cariocas que, por sua vez, obtiveram, no final de jogo, o merecido empate. Aos 43 minutos, Victor Faísca chutou de canhota de fora da área pela direita. Danilo Fernandes falhou e deu rebote que Renan Donizete aproveitou para empurrar para as redes. Ao fim, o empate e, mais do que ele, a fraca atuação do time, serviu para mostrar que Odair Hellmann terá muito trabalho a fazer para dar mecânica de jogo ao Inter de 2018. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia