Porto Alegre, quarta-feira, 17 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

Notícia da edição impressa de 17/01/2018. Alterada em 17/01 às 13h48min

Dirigentes tentam garantir loja da Havan no Rio Grande do Sul

Kruse encontrou Hang (direita) que listou dificuldades para investir no Rio Grande do Sul

Kruse encontrou Hang (direita) que listou dificuldades para investir no Rio Grande do Sul


PATRÍCIA COMUNELLO /ESPECIAL/JC
Patrícia Comunello, de Nova Iorque
De Nova Iorque, dirigentes do varejo gaúcho se mobilizam para garantir que a rede Havan, que finca réplicas da estátua da Liberdade na frente das lojas, instale a primeira unidade no Rio Grande do Sul. O presidente do Sindilojas, Paulo Kruse, gravou um vídeo com o empresário dono da rede, Luciano Hang, falando das dificuldades, que viralizou. Além de lojas, Hang tenta instalar Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), projeto de R$ 400 milhões. Luciano Hang estava na NRF e reclamou da dificuldade para abrir a primeira loja da rede. 
Segundo Hang, burocracia e limites de leis de funcionamento do comércio impediram a instalação de lojas desde o fim dos anos de 1990. A primeira seria em Porto Alegre. "O Rio Grande do Sul está mudando. O PT estragou o Estado. Ele (Hang) esteve lá (em Porto Alegre) para abrir loja, e o PT espantou", afirmou Kruse, citando que as "coisas estão mudando com o governador José Ivo Sartori (PMDB).
> Confira no vídeo a conversa de Kruse com Hang:
Sartori ligou, na segunda-feira, para o empresário para agendar uma audiência. Hang diz que vai ao Estado depois de voltar de Nova Iorque. Kruse recebeu ligações de integrantes do governo para manter as conversas de atração das lojas.
Em vídeo, gravado para o Jornal do Comércio, o presidente do Sindilojas diz que não é necessário que a loja seja na Capital. "Se tirar as amarras, ele vai colocar a loja. O governador já resolveu o problema do outro investimento (PCHs), e agora as cidades que se abram", disse o dirigente. Hang afirmou que precisa de cidades que permitam abertura aos sábados, domingos e feriados. "Não queremos terreno de graça", garantiu o empresário. "Tenho loja no Brasil inteiro. Vejo gaúchos no Brasil todo. Eles saem do Estado e vão buscar emprego em outros lugares."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia