Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 30 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

conjuntura

30/01/2018 - 08h44min. Alterada em 30/01 às 08h53min

IGP-M sobe 0,76% em janeiro, revela FGV

Indicador é utilizado para reajustar contratos de aluguel

Indicador é utilizado para reajustar contratos de aluguel


MAURO SCHAEFER/ARQUIVO/JC
O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) desacelerou a alta para 0,76% em janeiro ante 0,89% em dezembro do ano passado, divulgou na manhã desta terça-feira, 30, a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Com isso, o indicador da FGV reduziu a queda em 12 meses de 0,52% em dezembro para deflação de 0,41% no acumulado até janeiro.
Entre os três indicadores que compõem o IGP-M, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) saiu de 1,24% para 0,91%; o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) subiu de 0,30% para 0,56%, e o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) acelerou de 0,14% para 0,28%.
A desaceleração da alta do IGP-M entre dezembro e janeiro foi provocada pelo arrefecimento dos preços no atacado, que saíram de 1,24% para 0,91% no período. Em 12 meses, o Índice de Preços ao Produtor Amplo acumula queda de 2,34%.
Esse alívio no atacado foi resultado tanto do decréscimo da taxa dos produtos agropecuários medidos pelo IPA Agrícola (0,83% para 0,17%) quanto dos itens indústriais, mensurados pelo IPA Industrial (1,37% para 1,15%).
Por etapas de produção, a de matérias-primas brutas foi a única que desacelerou entre dezembro e janeiro, de 2,50% para 1,08%. Já os Bens Intermediários avançaram levemente de 1,01% para 1,05% e os Bens Finais tiveram alta mais relevante, de 0,48% no último mês de 2017 para 0,64% no primeiro mês de 2018.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia