Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 30/01/2018. Alterada em 29/01 às 22h21min

Abras projeta crescimento de 3% nas vendas em 2018

A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) projeta crescimento de 3% nas vendas reais do setor em 2018 na comparação com 2017. A expectativa, descrita como otimista pelo presidente da entidade, João Sanzovo Neto, representa uma aceleração do ritmo do crescimento ante o 1,25% de crescimento real registrado em 2017. "Estamos otimistas, vemos que a confiança dos consumidores e empresários está retomando", disse Sanzovo Neto.
O presidente da Abras considerou que a realização de eleições em 2018 traz incerteza para o ambiente de negócios, mas o executivo considerou que o setor tende a não ser afetado por turbulências. "A economia se descolou da política, isso é uma tendência que já vemos desde o final do ano passado", disse Sanzovo Neto.
O ânimo do setor melhora para 2018 depois de as redes supermercadistas terem crescido abaixo do esperado em 2017. A Abras previa que, no ano passado, as vendas aumentariam 1,5%.
Para o presidente da entidade, o crescimento ficou aquém do esperado porque a deflação de alimentos foi mais intensa que o previsto. Com isso, disse Sanzovo Neto, o faturamento do setor foi fraco, mesmo tendo havido uma evolução positiva das vendas em volume.
Para 2018, a expectativa é que o volume de itens vendidos aumente e que o faturamento ainda conte com o impacto de alguma recuperação nos preços de alimentos considerados commodities, caso do feijão, do arroz e do leite.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia