Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

crédito

24/01/2018 - 09h17min. Alterada em 24/01 às 09h17min

Demanda do consumidor por crédito sobe 0,6% em 2017, diz Boa Vista SCPC

Em dezembro ante novembro com ajuste sazonal, houve queda de 4% na procura por crédito

Em dezembro ante novembro com ajuste sazonal, houve queda de 4% na procura por crédito


FRANKIELEON/VISUALHUNT/DIVULGAÇÃO/JC
A demanda do consumidor por crédito cresceu 0,6% em 2017, de acordo com os dado nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) divulgados nesta quarta-feira, 24. Essa é a primeira variação positiva no consolidado anual desde 2012, quando houve expansão de 7,2%. Em dezembro ante novembro com ajuste sazonal, houve queda de 4% na procura por crédito, mas, na comparação com igual mês de 2016, o crescimento foi de 3,9%.
A demanda do consumidor por crédito cresceu 0,6% em 2017, de acordo com os dado nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) divulgados nesta quarta-feira, 24. Essa é a primeira variação positiva no consolidado anual desde 2012, quando houve expansão de 7,2%. Em dezembro ante novembro com ajuste sazonal, houve queda de 4% na procura por crédito, mas, na comparação com igual mês de 2016, o crescimento foi de 3,9%.
Em 2017, as instituições financeiras tiveram retração de 1,3%, enquanto o segmento não-financeiro registrou aumento de 1,8%. Na margem, o setor financeiro recuou 2,5% e o não-financeiro mostrou queda de 5%.
A Boa Vista SCPC destaca, em nota, que a recuperação da atividade econômica inicia um movimento de retomada do consumo que colabora para a elevação da demanda por crédito. "Ademais, com as recentes melhorias nas perspectivas de juros e inflação, espera-se para os próximos meses retomada mais consistente do indicador", avalia a instituição.