Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 14 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

entrevista

Notícia da edição impressa de 15/01/2018. Alterada em 14/01 às 22h15min

Cabify vai triplicar time de tecnologia em 2018

Competição motiva a empresa a se tornar cada vez melhor, diz Weder

Competição motiva a empresa a se tornar cada vez melhor, diz Weder


CABIFY/DIVULGAÇÃO/JC
Patricia Knebel
O poder de investimento do gigante norte-americano Uber e da chinesa Didi Chuxing (que agora controla a 99 no Brasil), dois dos maiores concorrentes da Cabify, não mete medo na empresa espanhola. O mercado de mobilidade urbana em expansão e os números alcançados em 2017 ajudam a reforçar a expectativa para um bom 2018. Balanço global da companhia, divulgado na sexta-feira, aponta para um crescimento de mais de 500% em seu faturamento e das solicitações de viagens nos mercados em que atua. A companhia triplicou o número de instalações do app e multiplicou por seis o número de viagens realizadas, em comparação com 2016. Desde o início das suas operações, foram mais de US$ 340 milhões captados, o que a ajudou a se tornar, em seis anos no mercado, uma dos protagonistas do setor de mobilidade na América Latina, com mais de 13 milhões de usuários ao redor do mundo e mais de 1,8 mil colaboradores - 75% deles na região. No Brasil, o crescimento em 2017 foi ainda maior: mais de 20 vezes em número de viagens e faturamento. Em entrevista ao Jornal do Comércio, o CEO global da Cabify, Ricardo Weder, conta que entre as novidades planejadas para o ano está o lançamento de um novo aplicativo para passageiros e uma plataforma que melhore a gestão do transporte corporativo.
Jornal do Comércio - A que você atribui esse crescimento de mais de 20 vezes em um ano no número de corridas realizadas no Brasil e da receita da Cabify?
Ricardo Weder - O Brasil é um dos principais mercados da Cabify no mundo. O crescimento no País e na América Latina é reflexo do conhecimento e da regionalização da operação de acordo com as particularidades de cada país em que atuamos, nos adaptando às condições particulares de cada cidade. Além disso, esse aumento se deve aos serviços prestados pela empresa, sempre suportados pela lógica da qualidade e do bom atendimento. Como companhia global, nós temos um processo muito rigoroso de registro dos motoristas parceiros, o que envolve inspeção dos carros e encontros para transmitir informações importantes para eles em nossos escritórios, sempre pensando em elevar a qualidade do serviço prestado. 
JC - Qual a estratégia da Cabify para manter esse desempenho em 2018?
Weder - Em 2018, pretendemos investir nas cidades em que já estamos presentes. Para isso, vamos focar na inovação e no desenvolvimento continuo da nossa plataforma tecnológica, visando oferecer mais segurança e qualidade para os usuários e os motoristas parceiros. Entre as novidades planejadas está o lançamento de um novo aplicativo para passageiros e uma plataforma que melhore a gestão das corridas corporativas. Para isso, vamos triplicar nossa equipe de desenvolvimento tecnológico. Esse mercado é muito dinâmico devido à tecnologia e inovação. Por isso precisamos sempre aprimorar os nossos processos e plataformas para aproveitar ao máximo a tecnologia disponível, proporcionando um serviço eficiente, seguro e de qualidade.
JC - Como você percebe a maturidade do mercado brasileiro para os serviços de mobilidade urbana?
Weder - O próprio crescimento da empresa no Brasil mostra a maturidade do mercado local. Em um ano de crise, contratamos mais de 200 funcionários e começamos a oferecer o nosso serviço em diversas cidades. No segmento corporativo, por exemplo, terminamos o ano com cerca de 50 mil clientes - dos quais 3 mil no Brasil. Outra questão importante em 2017 foi a parceria com o Multiplus no Brasil, que gera pontos no programa de fidelidade para usuários que viajam com a Cabify. Este é outro exemplo da maturidade do mercado, possibilitando grandes parcerias. A adesão da sociedade a esses serviços indica que 2017 foi um ano que realmente consolidou a indústria. Esse setor, certamente, terá longa vida no mercado.
JC -A estratégia de preços mais baixos, praticada por alguns concorrentes da Cabify preocupa sob o ponto de vista da sustentabilidade dos negócios no longo prazo?
Weder - Nós estamos focados em fazer a coisa certa nas cidades em que estamos presentes. Isso significa oferecer o melhor serviço, explorando a tecnologia e uma excelente relação com os nossos parceiros motoristas. Oferecer um serviço de qualidade é a melhor competência que podemos ter.
JC - Como você avalia a chegada definitiva dos chineses no mercado brasileiro, com a aquisição do 99? Como isso pode impactar a competição?
Weder - Esse tipo de concorrência é sempre muito importante para o mercado em geral, especialmente para os usuários e para os motoristas parceiros. Quanto mais os players estiverem envolvidos com essa indústria, mais eles irão se desenvolver, gerando um impacto positivo para a mobilidade urbana em várias cidades ao redor do mundo. A competição motiva a Cabify a ser tornar cada vez melhor e mais criativo. Existe espaço para cada um dos players presentes hoje no mercado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia