Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Gestão

Notícia da edição impressa de 09/01/2018. Alterada em 08/01 às 22h46min

Acordo com Boeing respeitará interesses nacionais, diz Embraer

Segundo a fabricante de aviões, não há intenção de driblar resistências

Segundo a fabricante de aviões, não há intenção de driblar resistências


/embraer/DIVULGAÇÃO/JC
A Embraer afirma que uma eventual combinação de negócios com a Boeing, se e quando concretizada, deve preservar, antes de mais nada, "os interesses estratégicos da segurança nacional e respeitar incondicionalmente as restrições decorrentes da ação de classe especial ('golden share') constantes do estatuto social da empresa, de titularidade do governo brasileiro".
A declaração foi feita em resposta a uma consulta da B3 sobre notícia informando que a Boeing e Embraer estariam discutindo maneiras de driblar a resistência do governo brasileiro ao negócio e que a empresa norte-americana estaria disposta a pagar US$ 28 por ADR, conforme fontes afirmaram à agência Dow Jones.
Segundo a fabricante de aviões brasileira, não há qualquer intenção de "driblar" alegada resistência a qualquer transação com a Boeing. No comunicado, a empresa também ressalta que sua administração tomou nota das manifestações públicas do governo brasileiro e seguirá em conformidade com elas em quaisquer futuros entendimentos.
Em relação ao valor por ADR, a Embraer esclarece que não possui elementos para manifestar-se sobre o tema, uma vez que "nesta data não há sequer definição sobre a estrutura de uma potencial combinação de negócios".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia