Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 05/01 às 12h16min

EUA geram 148 mil vagas em dezembro, abaixo dos 180 mil previstos

Os Estados Unidos criaram 148 mil vagas em dezembro, informou o Departamento do Trabalho nesta sexta-feira (5). Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam geração maior de empregos, de 180 mil. A média mensal de criação de postos em 2017 nos EUA ficou em 171 mil.
A taxa de desemprego manteve-se em 4,1%, como esperado. Já o salário médio por hora dos trabalhadores subiu 0,34% em dezembro, ou US$ 0,09, e teve ganho anual de 2,5%. Nesse caso, a previsão dos analistas era de ganho mensal de 0,30%. A geração de empregos de meses anteriores sofreu revisões. Houve criação de 252 mil postos em novembro e de 211 mil em outubro, o que dá uma revisão para baixo de 9 mil, nesses dois meses somados.
Em todo o ano de 2017, os empregadores geraram 2,1 milhões de postos, no sétimo ano seguido de crescimento de 2 milhões ou acima disso. É a segunda vez na história - a outra delas foi nos anos 1990 - que a economia tem produzido vagas nesse ritmo por tanto tempo. Ainda assim, o ano passado foi o pior para os ganhos na geração de vagas desde 2010.
O ritmo da criação de vagas no ano passado sugere que ainda há mais espaço para a expansão. Além disso, a economia pode ter um impulso com a reforma tributária. A hora média trabalhada ficou em 34,5 pelo segundo mês seguido, um pouco acima do registrado anteriormente em 2017. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia