Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 05/01 às 12h14min

Déficit comercial dos EUA sobe a US$ 50,5 bilhões em novembro

O déficit comercial dos Estados Unidos aumentou 3,2% em novembro em relação ao mês anterior, para o valor sazonalmente ajustado de US$ 50,5 bilhões. O resultado veio pior que as previsões dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, que estimavam déficit de US$ 49,8 bilhões. As importações aumentaram 2,5% no mês de novembro, enquanto as exportações subiram 2,3%.
O comércio exterior mais agitado reflete o fortalecimento das economias dos EUA e de outros países, com grandes regiões crescendo de maneira sincronizada pela primeira vez em anos. Com a inflação ajustada, a importação e a exportação de bens atingiu recordes.
De janeiro até novembro de 2017, as exportações cresceram 5,6% na comparação com o mesmo período do ano anterior, enquanto as importações subiram 6,7%. O déficit comercial geral cresceu 11,6% nesse período. O aumento do déficit comercial traz implicações mistas para a economia americana. A alta das importações sugere que a população e as empresas estão endinheiradas e confiantes o suficiente para aumentar os gastos, um sinal de saúde econômica.
No entanto, mais importações também significam que os americanos estão gastando uma quantidade significativa de dinheiro no exterior em vez de gastar em casa, beneficiando companhias estrangeiras e, em troca, restringindo os ganhos da produção dos EUA. Esse déficit ajudou grandes parceiros comerciais dos EUA, como China, Japão e México. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia