Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 05/01/2018. Alterada em 04/01 às 22h23min

Petrobras deve levar dois anos para recuperar valor

Apesar de ter feito acordo para pagar US$ 2,95 bilhões a investidores estrangeiros, o que pode encerrar uma de suas maiores disputas judiciais, a Petrobras deve levar dois anos para recuperar todo o seu valor de mercado desde que foi abalada pelos casos de corrupção revelados pela Operação Lava Jato, em 2014. Entre altos e baixos, a estatal viu seu tamanho na bolsa brasileira encolher de R$ 310,920 bilhões, em 2 de setembro de 2014, para R$ 226,9 bilhões na quarta-feira. A queda de cerca de 27% nesses últimos anos representa perda de aproximadamente R$ 84 bilhões.
Nesta quinta-feira, dia seguinte ao acordo proposto à Justiça dos EUA, as ações preferenciais (PN) da companhia, as mais líquidas, fecharam em alta de apenas 0,17%, para R$ 16,73. Os papéis ordinários (ON) subiram 0,85%, para R$ 17,70. Apesar da alta, a cotação ainda está distante dos R$ 24,56 de setembro de 2014, pouco antes de a companhia entrar em crise com o agravamento da Lava Jato por não conseguir publicar seus balanços auditados.
A agência de classificação de risco Fitch disse que o acordo feito pela Petrobras não terá efeito para o caixa da companhia. A Fitch, no entanto, alerta que o impacto para a estatal ainda é incerto, já que é alvo de processos e investigações na comissão de valores mobiliários dos EUA (SEC) e no Departamento de Justiça norte-americano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia