Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 05/01/2018. Alterada em 04/01 às 21h24min

Agronegócio gaúcho criou mais de 4 mil empregos em novembro

Colheita de maçã em Vacaria mobilizou 1.341 trabalhadores, diz FEE

Colheita de maçã em Vacaria mobilizou 1.341 trabalhadores, diz FEE


/ANDRÉ NETTO/ARQUIVO/JC
O Rio Grande do Sul voltou a registrar saldo positivo de empregos formais no agronegócio pelo segundo mês consecutivo. Em novembro, o número de admissões (14.570) foi superior ao de desligamentos (10.418), resultando na criação de 4.152 postos de trabalho com carteira assinada, informam os dados da Fundação de Economia e Estatística (FEE) divulgados nesta quinta-feira.
Os três segmentos do agronegócio aumentaram o número de empregos em novembro. O resultado mais expressivo ocorreu no segmento "dentro da porteira", formado por atividades características da agropecuária. O acréscimo de 2.243 postos foi liderado pelos setores de produção de lavouras permanentes e temporárias. O cultivo de frutas foi o que mais contribuiu para esse saldo, com a com mobilização expressiva de mão de obra para a colheita da maçã no município de Vacaria, resultando em mais 1.341 postos.
No segmento "antes da porteira", que abrange as atividades dedicadas ao fornecimento de insumos, máquinas e equipamentos para a agropecuária, foram criados 1.283 postos de trabalho com carteira assinada. O maior saldo positivo foi no setor de produção de sementes e mudas certificadas, com mais 1.749 empregos, concentrado sobretudo em Cruz Alta, onde foram criados 1.729 empregos nesse setor. Já os destaques negativos foram os setores de fabricação de adubos e fertilizantes (-266 postos) e de fabricação de tratores, máquinas e equipamentos agropecuários (-240 postos). 
Já no segmento "depois da porteira", composto por atividades agroindustriais e de comércio atacadista, houve incremento de 626 postos de trabalho. Nesse segmento, foram criados 774 empregos no setor de fabricação de conservas e 417 empregos no setor de abate e fabricação de produtos de carne. Já o setor com maior saldo negativo foi o de comércio atacadista de produtos agropecuários e agroindustriais.
Em relação a novembro de 2016, houve acréscimo de 114 postos de trabalho, passando de 4.038 empregos com carteira assinada para 4.152. Na comparação desses dois meses, o setor com maior variação positiva no saldo de empregos foi o de produção de lavouras permanentes.
No acumulado de janeiro a novembro de 2017, foram criados 8.075 empregos com carteira assinada no agronegócio gaúcho. Em igual período de 2016, o saldo entre admissões e desligamentos foi de 8.554 empregos, resultando em uma variação negativa de 479 postos. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia