Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Combustíveis

03/01/2018 - 13h31min. Alterada em 03/01 às 16h49min

Petrobras abre 2018 com queda no preço do litro da gasolina e diesel

Repasse de aumentos não é integral á bomba, mas consumidor sente a mudança nos preços

Repasse de aumentos não é integral á bomba, mas consumidor sente a mudança nos preços


CLAITON DORNELLES /JC
A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (3) o primeiro ajuste os preços dos combustíveis para a distribuidoras. A estatal aplica queda de 1,40% no preço da gasolina nas refinarias e de 1,90% no diesel. Os novos valores valem a partir desta quinta-feira (4). 
O aumento acumulado da gasolina para distribuidoras chegou a 30% em 2017. O preço foi alterado 117 vezes em 180 dias, desde que entrou em vigor a nova política de preços da estatal. Foram 62 aumentos e 55 reduções. Já no diesel, foram 121 alterações, sendo 69 aumentos e 52 cortes de valor. A nova política de preços da Petrobras estreou em julho e foi regida por ajustes quase que diários nas tabelas. O diesel, por sua vez, alcançou 28%.
Thiago Machado/Arte/JC
Nenhum aumento superou o gás de cozinha residencial, que subiu 57,3% desde julho, e 67,9% se for considerado um aumento um mês antes, de 6,7%. Também segue a prática de ajustes conforma o mercado. Já o gás industrial registra elevação acumulada de 36,4%.A nova política de revisão de preços foi divulgada pela petroleira no dia 30 de junho de 2017.
Com o novo modelo, a Petrobras diz esperar acompanhar as condições do mercado e enfrentar a concorrência de importadores. Em vez de esperar um mês, a empresa pode fazer diariamente. Além da concorrência, pesam as informações sobre o câmbio e as cotações internacionais na decisão de revisão de preços.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Franklin 09/01/2018 00h23min
Tem algo de errado nisso. Há três meses atrás o litro da gasolina estava custando cerca de 3,80 e hoje já está custando 4,20. Só teve aumento até agora.