Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Notícia da edição impressa de 02/01/2018. Alterada em 01/01 às 22h24min

Tarifa branca entra em vigor e pode baratear conta de luz

Na nova forma, os preços vão variar ao longo do dia

Na nova forma, os preços vão variar ao longo do dia


MARCO QUINTANA/JC
Entrou em vigor ontem uma nova modalidade de cobrança de energia para consumidores com média mensal superior a 500 quilowatt/hora (kWh). Na nova forma, os preços vão variar ao longo do dia. O consumidor pode optar por este modelo ou continuar pagando pelas regras atuais.
O sistema dá ao consumidor a possibilidade de pagar valores diferentes dependendo da hora e do dia da semana em que a energia elétrica é consumida. Se o cliente usar a energia nos períodos de menor demanda, como na parte da manhã, no início da tarde e de madrugada, por exemplo, o valor pago pela energia consumida será menor. Nos horários de pico, o custo será maior. E essas faixas de horário serão definidas por cada distribuidora, ou seja, vão variar de cidade para cidade.
A tarifa branca, que mostra a variação do valor da energia conforme o dia e o horário do consumo, será oferecida para unidades de baixa tensão, como residências e pequenos comércios e serviços. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), todas as distribuidoras do País deverão atender aos pedidos de adesão à tarifa branca das novas ligações e dos consumidores com média mensal superior a 500 kWh.
Se o consumidor achar que a tarifa branca não apresenta vantagem e a conta de luz subiu, ele pode solicitar sua volta à tarifa convencional. A distribuidora terá 30 dias para atender ao pedido. Todavia, se o usuário quiser voltar à tarifa branca, novamente, o consumidor terá um período de carência de 180 dias para fazer a troca do sistema. A nova tarifa não se aplica aos consumidores residenciais de baixa renda, beneficiários de descontos previstos em lei e à iluminação pública.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2018/01/01/206x137/1_tarifaenergia-1710295.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5a4ad0ef97e1a', 'cd_midia':1710295, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2018/01/01/tarifaenergia-1710295.jpg', 'ds_midia': 'arte tarifa branca', 'ds_midia_credi': 'Arte/JC', 'ds_midia_titlo': 'arte tarifa branca', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '454', 'cd_midia_h': '800', 'align': 'Left'}
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia