Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 02/01/2018. Alterada em 01/01 às 20h55min

Governo prorroga a venda de milho em balcão

Os ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, da Fazenda, e da Casa Civil publicaram, na sexta-feira, uma resolução prorrogando, até 31 de dezembro de 2018, a venda direta de até 250 mil toneladas de milho em balcão para os pequenos criadores de aves, suínos, bovinos, ovinos e caprinos de todo o País.
O limite de aquisição será de 10 toneladas por criador, mantido o preço máximo de R$ 33,00 por saca de 60 quilos para os criadores do Norte e Nordeste. Para os produtores do restante do País será praticado o preço do produto na região.
Em março de 2017, a Portaria Interministerial nº 780 autorizou a venda de 200 mil toneladas do produto, ao preço máximo de até R$ 33,00 por saca de 60 quilos para as regiões Norte e Nordeste.
Com base nos dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a prorrogação foi decidida porque não foram vendidas as 200 mil toneladas autorizadas em março. Ainda existe estoque remanescente de 84,7 mil toneladas, já que foram vendidas, de abril a novembro, 115,3 mil toneladas (107,7 mil t no Nordeste e 7,6 mil t no Norte), frente à disponibilidade de 200 mil t.
Em 2017, a comercialização em balcão foi realizada em oito estados. Foram atendidos 604 municípios e 22.700 clientes, com volume médio de aquisição de 5.067 quilos por comprador. Em novembro, na região Norte, somente Acre e Rondônia estavam com preços de mercado abaixo do patamar autorizado e, na Região Nordeste, apenas o Piauí.
Nesta safra, o suprimento do insumo nas regiões Norte e Nordeste mostra cenário de déficit de 200 mil toneladas em relação à produção, estimada em 6,3 milhões de toneladas; e consumo de 6,5 milhões de toneladas. O cenário se agrava ainda mais para os pequenos consumidores, pois, nesta safra, cerca de 80% da produção está concentrada na Bahia, Piauí e Maranhão, áreas de difícil remoção do produto pelos pequenos consumidores, em razão dos altos preços dos fretes. Comerciantes que transportam o produto incorporam sobrepreço no milho, aproveitando-se da pequena concorrência na remoção.
E deve também ser levado em conta o calendário da cultura na região Nordeste. Na região norte da Bahia, o plantio ocorre nos dois primeiros meses do ano, e a colheita, em junho, ficando o primeiro semestre abastecido por estoques remanescentes, ou compra no Sudeste ou Centro-Oeste, com produto colhido na safra de verão.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia