Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

artes cênicas

Notícia da edição impressa de 30/01/2018. Alterada em 29/01 às 17h17min

Conflitos em família marcam peça em cartaz na Sala Álvaro Moreyra

Catharina Conte e Nora Prado vivem filha e mãe em Latidos, espetáculo inédito de Julio Conte

Catharina Conte e Nora Prado vivem filha e mãe em Latidos, espetáculo inédito de Julio Conte


DIOGO VAZ/DIVULGAÇÃO/JC
Luiza Fritzen
Autor de peças como Bailei na curva, Se meu ponto G falasse e Mecânica do amor, Julio Conte apresenta seu novo espetáculo, denominado Latidos, dentro da programação do Porto Verão Alegre. Em três sessões, a peça pode ser vista de hoje a quinta-feira, às 21h, na Sala Álvaro Moreyra (Érico Veríssimo, 307). Os ingressos custam de R$ 20,00 a R$ 40,00.
Com realização do Complexo Cômica Cultural, a montagem gira em torno da relação de Virgínia e Valentina, mãe e filha que precisam lidar com o luto de diferentes formas após a morte do esposo e pai. Além da perda, o que norteia a narrativa é o relacionamento entre ambas, bem como suas cobranças, expectativas e frustrações. Quem encena o diálogo são as atrizes Nora Prado e Catharina Conte.
Valentina, que ainda processa a perda prematura do pai, precisa lidar com o luto também por parte do fim da adolescência, a perda do corpo púbere e o início da vida adulta. Passando também por questionamentos e conflitos da idade, a jovem vive uma relação de rivalidade com a própria mãe, o que serve como estopim para conflitos diversos.
Mãe e mulher de negócios, Virgínia lida, ainda, com suas questões internas e trabalha com o luto e a dor da perda à sua maneira. Com a personagem, novas questões integram a narrativa, como a maternidade, que pode ser tanto uma imposição social como uma escolha pessoal ou um meio de manter o casamento.
O diálogo no qual se baseia Latidos começa em um café da manhã poucos dias após o enterro do pai. Ali, as duas personagens precisam resolver conflitos e questões do passado antes da próxima refeição. A ideia de Conte é desenvolver uma história que tenha início, meio e fim dentro de um contexto dramático propriamente dito, sem contar com vídeo, filme, nem invocar cenas do passado e do futuro. Ao estilo de teatro de arena, o público cerca a cena - possibilidade permitida pelo formato da Sala Álvaro Moreyra, dando ao espectador a sensação de pertencer e participar do acontecimento quase como um membro integrante do relacionamento entre mãe e filha.
O jogo narrativo da peça se completa com o desaparecimento de Buck, cachorro de Valentina que nasceu no mesmo período em que a personagem. Ao lidar também com o sumiço de seu animal de estimação, a jovem precisa compreender esse novo vazio em seu dia a dia. Como curiosidade, o nome do espetáculo, Latidos, se deve à presença (ou ausência) do cão.
Dessa forma, Conte mescla diferentes universos e emoções que colidem tanto interna como externamente nas duas personagens. Confrontadas pela perda e pela ausência de um integrante da família, cabe a Virgínia e a Valentina acertar as contas e dar seguimento à relação familiar. Por meio dos lutos metafóricos e simbólicos, em cerca de uma hora, as duas mulheres confrontam a dor e elaboram a morte a partir de suas próprias perspectivas e experiências, e, juntas, precisam aprender a consolar uma à outra, como também a si mesmas.
A escolha pela abordagem do tema, como explica Julio Conte, já era um projeto antigo, somado à recente perda dos próprios pais. Dessa forma, o autor e diretor, que também é psicanalista, traz elementos da psicanálise para abordar um tema tão complexo e que é sempre atual.
O espetáculo é também uma forma de discutir como os mortos constituem nossas vidas. Segundo ele, "a história da civilização humana começa quando começamos a enterrar nossos mortos". Nesse sentido, o luto é o trabalho mais importante que o ser humano pode fazer, pois lidamos constantemente com lutos, seja pela perda de entes queridos, términos de relacionamentos, encerramento de ciclos e pelo próprio crescimento e abandono do ninho.
A venda antecipada de ingresso ocorre no Praia de Belas Shopping (terceiro andar) e no DC Shopping - Casarão Verde. Pela internet, no site do Porto Verão Alegre.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia