Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 07 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Acontece

Alterada em 05/01 às 17h55min

Ancine diz que ainda é cedo para discutir regulamentação do streaming

Ainda é cedo para regulamentar a atuação dos serviços de Vídeos Sob Demanda (VOD, em inglês) no Brasil, afirma o novo presidente da Agência Nacional de Cinema (Ancine), Christian de Castro. "Esse mercado ainda está em fase de consolidação", relata.
Plataformas como a Netflix, que são, hoje, o grande horizonte de crescimento do audiovisual, não estão submetidas ao mesmo regramento que os canais da TV a cabo, por exemplo, obrigados, desde 2012, a exibir cota de conteúdo nacional em suas grades.
A questão tem se arrastado nas reuniões do Conselho Superior de Cinema. O setor debate se, a exemplo do que ocorreu com a TV por assinatura, também não seria o caso de exigir dos serviços de streaming um percentual de obras brasileiras.
"Neste momento, acho que não", conta o novo presidente. "Esses serviços funcionam bem com a produção local."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia