Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 02/01/2018. Alterada em 01/01 às 19h48min

Maioria pelo pagamento

Deputado federal gaúcho Alceu Moreira avalia que as perspectivas do País para 2018

Deputado federal gaúcho Alceu Moreira avalia que as perspectivas do País para 2018


MARCO QUINTANA/JC
O deputado federal gaúcho Alceu Moreira (PMDB) avalia que as perspectivas do País para 2018 rumam para a tecnologia com o fim do carimbo, do balcão de negócios e do papel. Ele lembra que, desde que houve a cassação do mandato de Dilma Rousseff (PT), houve uma mudança geral no rumo da economia e na forma de tratar do próprio governo com o Parlamento. Isso gera, de um lado uma cultura política. Se se estabeleceu a ordem de haver maioria, não é pelo convencimento, é pelo pagamento.
Déficit moral
"Hoje, se trabalha muito mais com fundo comercial do que mandato", alfineta Moreira sobre a atuação dos parlamentares. Segundo ele, isso gera uma reacomodarão política gigantesca no processo. Trocam-se figuras, e os atores e motivações são outros". Para o deputado, "nós temos um déficit moral, que a população continuará cobrando; nós estamos passando por um período de grande revolução ética". É, na avaliação do deputado, o que está acontecendo agora de fora para dentro do Parlamento, do governo, da Suprema Corte. Para o parlamentar, "essa cobrança da população vai resultar, com certeza, num País muito melhor", avalia.
Modelo antigo
Apesar das mudanças que já vêm acontecendo, na opinião do parlamentar, algumas pessoas ainda insistem desesperadamente em manter o modelo antigo de política, que, para alguns, é muito confortável, que gera caciques em todos os lugares, com comando absoluto do processo. "Mas, apesar da luta, acho que serão vencidos".
Conteúdo tecnológico
Para Moreira, "agora, nós teremos um debate muito menos de conteúdo ideológico e muito mais de conteúdo tecnológico; quer dizer, o País vai sofrer, sem sombra de dúvida, as consequências da tecnologia". Segundo o deputado, "o Estado será menor e independente, queiram ou não". Na análise de Moreira, as funções não existirão mais, estarão no aplicativo, no cartão magnético ou em qualquer outra coisa, mas não terão carimbo, nem balcão, nem papel. Então, certamente, teremos um caminho de estados com milhares de salas vazias, porque serão absolutamente desnecessárias", assinalou.
Reforma da Previdência
Alceu Moreira diz que o governo, certamente, vai lutar para aprovar a reforma da Previdência. "Na minha visão, aprovando a reforma da Previdência", acentua Moreira, "nós teremos a reanimação completa. Não estarmos mais em processo de espera"
Investimentos privados
Moreira destaca as propostas para investimentos privados em energia, ferrovia e infraestrutura. Com a aprovação da reforma da Previdência, o risco reduz demasiadamente, e o investidor estará pronto para fazer investimento. Segundo ele, vale tanto para os bancos privados nacionais como para os internacionais.
Faixa da centro-direita
No ponto de vista político, na avaliação do deputado, "só teremos um debate que vai se situar na faixa do centro-direita". A palavra que norteia os debates será o capital. "Não acredito que teremos projeto de direita radicalizada desta cobrança rasa do criminoso na cadeia, da criminalização; teremos um debate mais profundo", acredita.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia