Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Jaime Cimenti

Livros

Notícia da edição impressa de 01/02/2018. Alterada em 01/02 às 13h11min

A arte de viver

Detalhe da capa do livro

Detalhe da capa do livro


REPRODUÇÃO/JC
A arte de viver (Harper Collins, 192 páginas, tradução de Rodrigo Peixoto), de Thich Nhat Hanh, um dos líderes espirituais mais proeminentes e mais queridos da atualidade, foi lançado há poucos dias no Brasil. O vietnamita Thich iniciou sua vida como monge aos 16 anos e, hoje, é mestre do zen-budismo, poeta, acadêmico e ativista da paz. Foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz por Martin Luther King Jr., seus ensinamentos são considerados lendários, e milhares de pessoas frequentam seus retiros para aprender a arte de viver com a mente aberta (ou atenção plena). É a técnica da mindfulness.
A mindfulness é uma técnica que pode ser traduzida como atenção ou consciência plena. O conceito vem, portanto, para conectar ação e pensamento. Em A arte de viver, Thich apresenta, pela primeira vez, meditações transformadoras que podem libertar as pessoas para uma vida feliz, pacífica e ativa. O autor auxilia a encarar o envelhecimento e a morte com curiosidade e alegria, não com medo, e, acima de tudo, como gerar felicidade, compreensão e amor para que possamos viver profundamente cada momento de nossas vidas.
O livro ensina a importância de olhar para dentro de si mesmo e mostra como desenvolver a compaixão a partir de práticas conscientes para se envolver com a vida. "A espiritualidade também é um campo de pesquisa e estudo. Queremos nos entender, entender o mundo que nos rodeia e o que significa aceitar e amar, e isso determina nossa qualidade de vida. Todos precisamos ser amados e compreendidos. E todos queremos amar e compreender", ensina o líder espiritual, que atualmente vive em Plum Village, seu centro de meditação na França.
Thich não considera a espiritualidade religião. Para ele, a espiritualidade é um caminho para gerarmos felicidade, entendimento e amor, para viver todos os momentos da vida de forma mais profunda. Manter uma dimensão espiritual não é fugir da vida ou passar um tempo em algum lugar feliz, fora do mundo. A espiritualidade, para Thich, é enfrentar as dificuldades da vida e gerar paz, alegria e felicidade, bem aqui onde estamos no planeta.
O livro nos ensina, acima de tudo, a desenvolver a compaixão, a partir de práticas conscientes para se envolver com a vida e, assim, quem sabe, ter um planeta e um convívio dos humanos mais harmônico e feliz. Disso precisamos.

lançamentos

  • Berta - Os anos dourados da Varig - Uma história de bastidores nunca antes revelada (Editora Espaço Aberto, 416 páginas), de Mario de Albuquerque, jornalista que trabalhou 39 anos na Varig, é obra que surpreende e polemiza. Desnuda as figuras de Berta e Meyer, mostrando a intimidade dos grandes mitos que fizeram a história da Varig e da aviação brasileira. Reportagens, entrevistas e dezenas de documentos dão autenticidade à obra.
  • A marca do Z - A vida e os tempos do editor Jorge Zahar (Zahar, 296 páginas), do jornalista, professor e escritor Paulo Roberto Pires, da UFRJ, mostra a riquíssima vida do legendário editor Jorge Zahar, cuja trajetória se confunde com a história das ideias no Brasil do século XX. Livreiro e depois editor de grandes obras de ciências humanas, formou várias gerações de leitores e debateu com calor as questões de seu tempo.
  • Vamos melhorar o Brasil? (232 páginas, AGE Editora), de Oscar Danieli, economista nascido em Carazinho, traz inspirações para lidar com nosso Brasil, país sem guerras, com muitos recursos, mas com desigualdades, violência, radicalismos, desemprego, corrupção e outros problemas. Danieli trata de política, administração, finanças, teto salarial e outras questões, e opina, com fundamento, sobre as importantíssimas eleições deste ano.

Mamma mia faz 90 anos

Minha mãe faz 90 anos. Não desceu do alto numa poltrona, tipo no filme Mamãe faz 100 anos, de 1979, clássico de Carlos Saura. Emma, a mamma, nasceu em Treviso, no Vêneto, Norte da Itália e, quando estava com 11 anos, iniciou-se a Segunda Guerra Mundial. Quando o conflito terminou, em 1945, minha mãe estava com 17 anos. Ela lidou bem com as marcas do conflito, procurou não lamentar muito a adolescência roubada e, aos 20 anos, casou-se com Alberto, meu pai, em Maserada, cidadezinha onde viviam.
Com 21 anos, meu irmão de quatro meses no colo e meu pai, ela emigrou para o Brasil. Nova Prata, nenhuma rua calçada, 1949, Dr. Tarasconi prefeito, algumas peças para morar e dois fogareiros para providenciar as refeições. Alberto foi trabalhar coordenando as obras da prefeitura. Trabalharam muito, economizaram algum dinheiro e apostaram numa fazenda de café no Paraná, onde a grana sumiu. Acontece com jovens imigrantes. Começaram tudo de novo, já com minha garbosa irmã Jussara, nascida na gloriosa Nova Prata.
Em 1954, meu pai, meus irmãos e minha mãe grávida foram morar em Bento Gonçalves, onde eu tive a honra, a alegria e o imenso prazer de nascer, modéstia à parte. O pai foi trabalhar na prefeitura de Bento. Em Bento, uma casa, trabalho como primeira vendedora da Avon na cidade, filhos crescendo, alegrias e dificuldades, e sempre os sonhos de ver de novo a família e os amigos na Itália. Um acidente no trânsito louco de Caxias, quatro meses de cama para a mamma recuperar a bacia fraturada, e, aí, depois, a viagem para a Itália, 11 anos depois da partida.
O pai pretendeu voltar com a família para a Itália. Emma disse que se acostumou com o Brasil e respondeu que não. Conseguiu formar os três filhos na faculdade. Sua comadre, na Itália, tinha três filhos e um apenas se formou em curso superior. Filhos em época de faculdade, a família mudou-se para Porto Alegre, onde foi morar na Felipe Camarão, no simpático Bom Fim. Sempre muito trabalho, aí vieram netos, bisnetos e, daqui a pouco, quem sabe, os trinetos.
Depois de muita luta, a possibilidade de ir para a Itália uma vez por ano. Alguns anos depois, meu pai faleceu de repente, com 67, minha mãe tinha 58. Nove anos depois, meu irmão nos deixou muito cedo, aos 47 anos. Perdas e ganhos, Emma seguiu em frente, mesmo depois de outro violento acidente de carro, em Porto Alegre, e de um infarto aos 72 anos. Seguiu em frente e preferiu ficar todo tempo no Brasil, país que a acolheu e onde nasceram os filhos, netos e bisnetos.
A vida segue. Emma cruzou a barreira dos 90. Eu, com 64, perto dela, claro que me sinto, muitas vezes, com 10, e ela, com 36. Como disse Mario Quintana, o tempo é só um ponto de vista dos relógios, e, aí, as lembranças, vivências e memórias de verdade ou inventadas vão rolando como água de cascata. Passado, presente e futuro estão embolados, e a bola vai para cá e para lá.
 

a propósito...

Esses dias, eu e minha irmã Jussara fomos tomar um café da tarde, isso, o antigo café da tarde, na confeitaria Liamar de Atlântida. A mana pediu mil-folhas que era exatamente para isso que ela queria ir lá. Eu comi canudinho com creme, que era o único doce que eu comia nas nossas festas de aniversário. Aí eu e a mana começamos a lembrar acontecimentos de infância, juventude e vida adulta, tudo misturado, tempo indo e vindo, memória bamboleando. Um contando como tinha sido tal coisa, outro pensando se era assim mesmo. Naquele momento, o que tinha realmente acontecido não importava. Importava lembrar, contar. Importava o momento, as mil-folhas, os canudinhos e o café, que a vida é feita de pequenas grandes coisas. Se o que foi é ou não, se deixará de ser ou será diferente, não importa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia