Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

Notícia da edição impressa de 02/01/2018. Alterada em 01/01 às 19h52min

Bancada gaúcha gastou R$ 12 milhões em 2017

Passagens aéreas são maior desembolso parcial dos parlamentares

Passagens aéreas são maior desembolso parcial dos parlamentares


LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
Lívia Araújo
Um levantamento das despesas dos deputados federais gaúchos na Câmara dos Deputados realizado pelo Jornal do Comércio constatou um valor de R$ 12.364.043,35 em ressarcimentos da verba de gabinete registrados entre 1 de janeiro e 20 de dezembro. Os gastos da bancada gaúcha no Parlamento representam 6% do total, que foi de R$ 200.559.423,86. As informações no site da Câmara e no portal de controle social www.ops.net.br (Operação Política Supervisionada).
O Rio Grande do Sul tem também a quinta bancada mais cara da Câmara, atrás de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Bahia. O maior volume de despesas cadastradas pelos deputados gaúchos até agora foi com viagens de avião: desde janeiro até agora, foram R$ 3.366.902,17 ressarcidos nas rubricas "emissão bilhete aéreo" e "passagens aéreas"; já no montante de despesas da Câmara, o maior gasto é na categoria "divulgação da atividade parlamentar", com R$ 49.899.354,90 ressarcidos.
Além das passagens aéreas, os outros quatro maiores gastos dos parlamentares gaúchos foram com despesas de divulgação, R$ 2.030.933,22; manutenção de escritório de apoio à atividade parlamentar, R$ 1.719.795,80; locação de veículos automotores, R$ 1.676.446,58; e combustíveis e lubrificantes, R$ 1.191.396,98.
Até agora, o maior volume parcial de despesas na bancada do Rio Grande do Sul na Câmara pertence ao deputado federal gaúcho Darcísio Perondi (PMDB), que teve R$ 483.061,42 ressarcidos de sua verba de gabinete. O que menos gastou foi o também peemedebista José Fogaça, com R$ 183.100,49 cadastrados até 20 de dezembro.
Cada um dos 513 deputados federais dispõe, mensalmente, de uma cota parlamentar variável por estado. No caso do Rio Grande do Sul, o valor total por mês, por deputado, é de R$ 40.875,90 para ser utilizado em despesas como refeições, passagens aéreas e combustível. O parlamentar envia a nota fiscal da despesa para a Câmara e recebe o reembolso. A despesa, exclusivamente individual - que, no caso de alimentação, é individual e intransferível -, é paga pelo parlamentar, que tem 90 dias para apresentar o comprovante de pagamento à Câmara, que faz o reembolso em no máximo três dias.
Esse valor não faz parte do salário dos deputados federais, que é atualmente de R$ 33.763,00, sem contar o auxílio-moradia de R$ 4.253,00 para aqueles que não ocupam apartamento funcional. O salário-mínimo nacional é, atualmente, de R$ 937,00; e o salário médio do brasileiro foi de R$ 2.227,50 no mês de janeiro de 2017, segundo a Pesquisa Mensal de Emprego, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia