Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 04 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Tragédia

04/12/2017 - 15h54min. Alterada em 04/12 às 15h54min

Familiares de vítimas da Boate Kiss emitem nota sobre resultado de julgamento

A Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM) se manifestou em nota sobre o resultado do julgamento da última sexta-feira (3), no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, em que foi decidido que os réus do caso da Boate Kiss Elissandro Callegaro Spohr, Mauro Londero Hoffmann, Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Augusto Bonilha Leão não irão a júri popular.
O julgamento dos desembargadores do 1º Grupo Criminal do TJ teve 4 votos favoráveis ao recurso dos réus e 4 contrários, um empate, caso em que a legislação estabelece que deve prevalecer a decisão que favoreça os autores do recurso. Assim, como os embargos infringentes foram interpostos pelos réus, ficou mantida a decisão do relator desembargador Victor Luiz Barcellos Lima de não levar aos réus a júri popular.
Conforme o relator, a conduta dos réus não pode ser considerada dolosa, já que a boate "funcionava regularmente, embora com algumas pendências, sem obstáculo das autoridades encarregadas da fiscalização, somando-se o fato de que o 'show' pirotécnico já havia sido realizado anteriormente, sem qualquer incidente", afirma Barcellos Lima.
Segundo a AVTSM, a justificativa dos votos de alguns desembargadores foi que os familiares não podem tratar esse processo com rancor e raiva e que eles fizeram manifestações contra o promotor do MP-RS Ricardo Lozza e o advogado Jader Marques, que defende Elissandro Spohr, sócio da boate. Em nota, a associação pergunta: "estávamos tratando de manifestações sobre cobrança de justiça dos familiares ou sobre dolo ou culpa?". "Não ficamos contra os votos, mas ressaltamos que fomos lá para saber o que era dolo e o que era culpa. Estamos até agora nos perguntando o que fomos fazer lá, dizem os parentes das vítimas da tragédia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Elton de Mello 04/05/2018 10h19min
Os familiares não querem justiça, querem é dinheiro de indenização. Pouca vergonha. Vão rezar pelos filhos que perderam, é o melhor que tenham a fazer.