Porto Alegre, quinta-feira, 21 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

COMENTAR | CORRIGIR

EMPREENDEDORISMO

Notícia da edição impressa de 22/12/2017. Alterada em 21/12 às 19h16min

A hora das mulheres à frente dos negócios

Entre os anos de 2014 e 2016, a inclusão das empreendedoras cresceu 10% no mundo todo

Entre os anos de 2014 e 2016, a inclusão das empreendedoras cresceu 10% no mundo todo


/GES/Divulgação/JC
Mauro Belo Schneider
Não é só no Brasil que as mulheres estão se destacando no empreendedorismo. Tanto que a participação feminina nos negócios foi tema principal da Global Entrepreneurship Summit (GES), em Hyderabad, na Índia, no fim de novembro. A mensagem que ficou do evento é de que essa realidade tende a ganhar ainda mais força em 2018.
Pela primeira vez na história de oito anos do evento, a GES teve mais participantes mulheres do que homens. O slogan da conferência foi Mulheres primeiro, prosperidade para todos.
A Score, instituição sem fins lucrativos que ajuda pequenos negócios dos Estados Unidos, também indica que a tendência vem se encorpando desde 2015. Naquele ano, 58% dos clientes da Score eram mulheres e 35% eram minorias, como negros e hispânicos, por exemplo.
No sul do país norte-americano, atualmente, há apenas um fundo totalmente dedicado a impulsionar negócios administrados por mulheres. Mas Kristina Montague, cofundadora do The Jump Fund, acredita que este cenário mudará daqui para frente.
"Em 20 anos, as mulheres terão em mãos um capital muito significativo. Elas estão herdando dinheiro ou lucrando com seus negócios, tendem a ser mais interessadas em investimentos que geram impacto. Estamos tentando educar mais mulheres e engajá-las. É um momento muito encorajador, a paisagem mudou completamente", considera, acrescentando que 80% da decisão de consumo é feita por mulheres.
Ivanka Trump, filha e conselheira do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi à Índia levar este mesmo conceito. Em sua fala, se mostrou otimista quanto à participação das mulheres no ecossistema empreendedor.
"Mundialmente, entre 2014 e 2016, a atividade empreendedora entre mulheres cresceu 10%", afirmou Ivanka.
Durante a reunião do G-20 deste ano, também foi criada uma novidade que deve impactar a vida das empreendedoras a partir de 2018.
Junto com o Banco Mundial, o grupo lançou a Iniciativa Financeira para Mulheres Empreendedoras - a Women Entrepreneurs Finance Initiative (WeFi) -, que fornecerá acesso a capital, networking e mentoria em países em desenvolvimento. Está previsto US$ 1 bilhão de dinheiro público e privado para este projeto.

Pessoas para não perder de vista ao longo de 2018

Ivanka Trump, foto GES divulgação
Ivanka Trump
GES/DIVULGAÇÃO/JC
  • Ivanka Trump: Filha do presidente norte-americano, Donald Trump, pegou para si a temática do empreendedorismo feminino. Ela já teve uma marca de roupas com seu nome, mas agora aposta em palestras pelo mundo para defender a participação das mulheres nos negócios. 
  • Cherie Blair: Esposa do ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, atualmente trabalha para incentivar o empreendedorismo feminino através da tecnologia. Ela criou a Fundação para Mulheres Cherie Blair, que conta também com uma plataforma on-line. Veja mais em: www.cherieblairfoundation.org
  • Karen Quintos: Executiva da Dell, ela pede união entre os gêneros para que o empreendedorismo se desenvolva. "Nós, mulheres, não podemos fazer a mudança sozinhas, precisamos dos homens. Juntos, conseguimos alcançar coisas incríveis." 
  • Chanda Kochhar: Diretora e CEO do banco indiano ICICI, ela acha que a mulher precisa ter mais acesso a capital e educação. "Se você educa uma mulher, você educa uma geração", diz ela, que é exemplo de liderança feminina na Ásia.
     
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Antiga p agina Inicial

Acesse o caderno especial online