Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

29/12/2017 - 19h40min. Alterada em 29/12 às 19h41min

CVM acusa ex-diretores da Petrobras por irregularidades na contratação de sondas

Gabrielli e ex-diretores devem responder por irregularidades na contratação de três sondas

Gabrielli e ex-diretores devem responder por irregularidades na contratação de três sondas


FABIO RODRIGUES POZZEBOM - ABR/JC
da Folhapress
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) acusa o ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli e sete ex-diretores da estatal de irregularidades na contratação de três sondas de perfuração de poços petrolíferos. As três sondas - Petrobras 10.000, Vitória 10.000 e Pride DS-5- foram alvo de investigações da Operação Lava Jato por denúncias de pagamento de propina em suas contratações.
O processo na CVM, que está à espera de defesa dos acusados, apura "eventuais irregularidades relacionadas à possível inobservância de deveres fiduciários" na contratação das unidades. Além de Gabrielli, são acusados Almir Barbassa, Guilherme Estrella, Ildo Sauer, Graça Foster, Nestor Cerveró, Paulo Roberto Costa e Renato Duque. Os três últimos foram presos pela Operação Lava Jato.
Atualmente, Cerveró e Costa cumprem suas penas em casa após assinarem acordo de colaboração premiada. Os contratos das três sondas já foram cancelados pela estatal, depois que delatores confessaram o recebimento de propina. A CVM acusa os executivos de descumprirem seus deveres de administradores ao aprovar a contratação das unidades.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia