Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

02/01/2018 - 17h24min. Alterada em 02/01 às 18h31min

Center Shop abre loja na Cidade Baixa em Porto Alegre

Minimercado ocupa imóvel que foi de agência bancária no bairro na avenida Venâncio Aires

Minimercado ocupa imóvel que foi de agência bancária no bairro na avenida Venâncio Aires


LUIZA PRADO/JC
Patrícia Comunello
A sétima filial da rede Center Shop será aberta na segunda quinzena de janeiro no bairro Cidade Baixa, próximo ao Centro de Porto Alegre. A unidade, que já está em obras, vai suceder uma antiga agência do Brasil do Brasil que fechou no mesmo imóvel na avenida Venâncio Aires. Serão gerados 60 postos de trabalho. Anúncio com o começo das contratações foi colocado na fachada da futura operação. Candidatos interessados podem buscar a sede da rede no Centro da Capital. São vagas para caixa, auxiliar e outras funções típicas de supermercado.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2018/01/02/206x137/1_img_9865-1710648.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5a4bea85d561f', 'cd_midia':1710648, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2018/01/02/img_9865-1710648.jpg', 'ds_midia': 'Moradora Elça Beltrame, do bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, fala de abertura de loja do Center Shop  ', 'ds_midia_credi': 'PATRÍCIA COMUNELLO /ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'Moradora Elça Beltrame, do bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, fala de abertura de loja do Center Shop  ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
Elça Beltrame adotou a ideia de um minimercado 'bem pertinho'. Foto: Patrícia Comunello/JC 
Na Cidade Baixa, as obras para adaptar a área de 370 metros quadrados a equipamentos e demais mobiliários de um súper já chamam a atenção de moradores, principalmente dos mais velhos como a aposentada Elça Beltrame, com 92 anos. "Para mim é ótimo, bem pertinho", exclamou Elça, vizinha da futura loja.
Outra moradora Esrealda Hadjimiches, com 86 anos, só pensa que encurtará as caminhadas para fazer as compras diárias em súper a cinco quadras ou mesmo depender da carona do filho. "Agora vou ser vizinha do 'mini'. Sempre procuro as coisas mais perto", reforça a moradora. 
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2018/01/02/206x137/1_img_9867-1710653.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5a4beb0f92040', 'cd_midia':1710653, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2018/01/02/img_9867-1710653.jpg', 'ds_midia': 'Moradora Esrealda Hadjimiches, do bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, fala de abertura de loja do Center Shop', 'ds_midia_credi': 'PATRICIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'Moradora Esrealda Hadjimiches, do bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, fala de abertura de loja do Center Shop', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
"Agora vou ser vizinha do 'mini'", diz Esrealda (esquerda). Foto: Patrícia Comunello/JC 
A direção da rede, que soma seis lojas focadas no perfil de minimercados, apostou no modelo de conveniência e proximidade com a vizinhança ao decidir ingressar no bairro. Em 2016, a rede abriu a primeira loja fora do Centro, na avenida Osvaldo Aranha, no bairro Bom Fim. Na época, ocupou imóvel onde por anos operou uma unidade da bandeira Nacional, do Walmart. A rede norte-americana decidiu acabar com a marca, e migrar para o título da rede. Em Porto Alegre, alguns pontos desocupados acabaram sendo assumidos por redes locais, entre eles também o Asun.   
O gerente do Center Shop Cidade Baixa, Cristóvão Cesar Stukpen, admite que a vizinhança está curiosa e quer saber da inauguração. Enquanto ocorre a reforma, muitos passam pela frente e aproveitam para saber mais do minimercado. "Muita gente para para obter informações sobre quando vamos abrir", diz o gerente. A loja terá cinco caixas na largada, mas pode ampliar a estrutura à medida que o fluxo se firmar.  A filial também vai abrir aos domingos.  
A rede tem mantido uma média de uma loja nova por ano desde 2014. Um dos diretores, Jorge Capellari, lembra que a marca completou 20 anos. Além dos seis Center Shop, são mais dois Centro Útil. O diretor adianta que a nova filial terá operação semelhante a existente em frente ao Hospital de Pronto Socorro (HPS). "Vai ser cópia daquela, mas com o tempo vamos ajustando", diz Capellari, lembrando que cada área tem clientela diferente. Em frente ao HPS, o público é flutuante e de passagem. Na Cidade Baixa, é mais morador e atratividade de renda média e perfil de jovens e mais velhos. 
Há perspectiva de ampliar para mais uma unidade este ano, seguindo o crescimento de um por ano. "Vai depender de ter área e espaço para instalar. Se houver alguma possibilidade semelhante podemos abrir", admite o diretor, que não revela dados de faturamento e de investimento na nova operação. A receita de 2017 seguiu a média do setor de supermercados, com aumento real de 2%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia