Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 27 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

consumo

Notícia da edição impressa de 28/12/2017. Alterada em 27/12 às 20h59min

Anvisa proíbe comercialização de azeites e pimenta com irregularidades

Mais tradicionais na ceia de Natal, os pratos com bacalhau não ficam fora da mesa também no Ano-Novo, muito bem acompanhado de um bom azeite de oliva e, porque não, temperado com uma pimentinha. Mas antes de comprar os ingredientes, é bom ficar atento na escolha da marca. Isso porque a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu lotes de produtos que apresentaram resultados insatisfatórios em laudos de análise fiscal. A pimenta-do-reino em pó preta da marca Brusto e alguns azeites de oliva da marca Lisboa são os alimentos vetados.
Os azeites extravirgem das marcas Torre de Quintela, Malangueza e Olivenza, fabricados pela Olivenza Indústria de Alimentos, foram proibidos por apresentarem índices de refração e iodo acima do recomendado, o que descaracteriza os produtos como azeites puros. A Natural Óleos Vegetais também teve produto vetado. Os lotes podem ser conferidos no site portal.anvisa.gov.br.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia