Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

petróleo

Notícia da edição impressa de 27/12/2017. Alterada em 26/12 às 21h43min

Preço do etanol no Rio Grande do Sul é o maior do País

Os preços do etanol hidratado nos postos brasileiros subiram em 17 estados e no Distrito Federal na semana passada, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). o maior preço médio ocorreu no Rio Grande do Sul, de R$ 3,756 o litro. Em outras oito unidades da Federação foram registrados recuos nos preços do biocombustível, e no Piauí o indicador ficou estável.
Em São Paulo, principal produtor e consumidor, a cotação média do hidratado apresentou alta de 2,34% na semana, de R$ 2,734 para R$ 2,798 o litro. No período de um mês, os preços do combustível subiram 7,70% nos postos paulistas. A maior alta no preço do biocombustível na semana passada, de 5,19%, foi no Mato Grosso. A maior baixa semanal, de 1,76%, ocorreu na Bahia. No período de um mês, os preços do etanol subiram em 17 Estados e no Distrito Federal. A maior alta, de 7,70%, foi registrada em São Paulo. O maior recuo mensal foi em Goiás (-8,39%).
No Brasil, o preço mínimo registrado na semana para o etanol em um posto foi de R$ 2,277 o litro, em Mato Grosso, e o máximo individual foi de R$ 4,39 o litro, no Rio Grande do Sul. O menor preço médio estadual foi de R$ 2,493 o litro, também em Mato Grosso. A gasolina permanece mais vantajosa principalmente em Roraima, onde o preço do etanol atinge 90,23% do cobrado em média pela gasolina.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia