Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 22/12 às 17h49min

Bolsas da Europa fecham em baixa, pressionadas por eleição na Catalunha

As bolsas da Europa encerraram o dia em queda, influenciadas por Madri, que caiu 1,19%, para 10.182,00 pontos, em resposta ao resultado da eleição na Catalunha. Os partidos independentistas conseguiram a maioria no Parlamento, o que gerou desconforto nos mercados.
Em um dia de baixa liquidez devido ao feriado de Natal na próxima semana, o índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,10%, aos 390,28 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX baixou 0,28%, para 13.072,79 pontos; o CAC-40, da bolsa de Paris, teve retração de 0,39%, aos 5.364,72 pontos; o FTSE-MIB, de Milão, caiu 0,14%, para 22.209,05 pontos, e o PSI-20, de Lisboa, cedeu 0,24%, para 5.383,33 pontos. Londres, que fechou mais cedo, teve queda de 0,15%, aos 7.592,66 pontos.
O resultado da eleição na Catalunha deve pesar sobre os mercados apenas no curto prazo, e "não será uma questão" para os investidores no longo prazo, segundo avaliação do Commerzank. Analistas do banco apontaram que a questão da independência da Catalunha perdeu o senso de urgência e, no futuro, os investidores devem voltar o foco para as perspectivas sólidas da economia da Espanha.
Ainda que o resultado da eleição represente uma derrota para o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, o Nordea afirma que o impacto nos mercados deverá ser limitado, já que, em sua avaliação, uma declaração unilateral de independência não deve ocorrer novamente. Há, porém, a expectativa de negociações "longas e difíceis" para a formação de um novo governo regional.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia