Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 20/12 às 10h15min

Taxas futuras de juros recuam com dólar fraco

Os juros futuros recuam, especialmente os mais longos, na esteira do viés de baixa do dólar ante o real e no exterior. Segundo operadores do mercado de câmbio, os ajustes locais estão em linha com o viés negativo do Dollar Index e em relação a algumas moedas emergentes e ligadas a commodities.
Após a aprovação da reforma tributária no Senado norte-americano nesta quarta-feira (20) o projeto será votado uma segunda vez na Câmara dos Representantes, ainda pela manhã. O corte de impostos no país deve chegar a US$ 1,5 trilhão em dez anos, na maior revisão estrutural desde 1986.
A agenda local traz nesta quarta a divulgação das contas externas de novembro, às 10h30min, e o Tesouro divulgará relatório da dívida pública federal relativo ao mês passado, às 10h. Além disso, a CNI/Ibope divulga às 10h uma nova pesquisa sobre o desempenho do governo federal.
O Barômetro Político Estadão-Ipsos revela que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) atingiu o ápice de aprovação na série histórica, enquanto outros possíveis candidatos, como Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) e Jair Bolsonaro (PSC), sofrem desgaste na imagem. Em dezembro, Lula teve seu sexto mês seguido de melhora na avaliação, chegando a 45% de aprovação.
Em junho, o ex-presidente era aprovado "um pouco" ou "totalmente" por 28% dos brasileiros, segundo o instituto. Nos meses seguintes, a taxa passou para 29%, 32%, 40%, 41%, 43% e, finalmente, 45%.
Já a desaprovação caiu 14 pontos porcentuais desde junho e está em 54%. O levantamento do Ipsos, porém, não estima as chances eleitorais dos presidenciáveis. A pesquisa mede apenas as taxas de aprovação e desaprovação.
No dia 24 de janeiro Lula será julgado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) um recurso apresentado pelo ex-presidente contra a condenação a nove anos e meio de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Se a condenação for confirmada, o petista poderá ficar legalmente impedido de concorrer novamente à Presidência.
Mais cedo foi revelado que o IPC-Fipe, que mede a inflação na cidade de São Paulo, subiu 0,46% na segunda quadrissemana de dezembro, ganhando força em relação ao aumento de 0,39% verificado na primeira quadrissemana deste mês.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia