Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 13/12 às 16h19min

Bolsas da Europa fecham em queda na véspera de decisões de BCs

Os mercados de ações da Europa fecharam a sessão desta quarta-feira (13), no vermelho, na véspera da decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) e horas antes do anúncio de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano), bem como influenciados pela possibilidade de convocação de eleição geral na Itália. O índice pan-europeu Stoxx 600 terminou com baixa de 0,21%, aos 390,80 pontos.
A cautela típica que prevalece nos mercados antes de decisões de juros ganhou um ingrediente adicional nesta quarta-feira. A imprensa italiana dá como certa a realização de uma nova eleição geral no país em 4 de março. Há um ano, o então primeiro-ministro, Matteo Renzi, renunciou ao cargo após sofrer uma derrota durante uma consulta pública sobre a proposta de uma grande reforma constitucional.
Dissoluções de parlamento não são novidade na Itália. O que preocupa, neste caso, é o avanço de eurocéticos, como o populista Movimento 5 Estrelas, em detrimento a grupos políticos tradicionais, como a coligação Força Itália, do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi.
Desta forma, a Bolsa de Milão teve uma sessão de perdas acentuadas, chegando a encerrar o pregão na mínima aos 22.400,19 pontos (-1,44%). Os papéis de bancos, setor que seria amplamente prejudicado com um eventual afastamento da Itália da UE após as eleições, foram os que mais se destacaram entre as baixas - BPM perdeu 4,52%, Carige caiu 1,92% e UniCredit recuou 4,65%.
O temor político italiano acabou contaminando os demais mercados, especialmente os da chamada "periferia" da zona do euro. O índice IBEX-35, da Bolsa de Madri, também encerrou a sessão na mínima, aos 10.260,50 pontos (-0,27%). O PSI-20, de Lisboa, caiu para 5.383,69 pontos (-0,27%).
Na Bolsa de Frankfurt, a queda dos preços das commodities prejudicou o desempenho das ações da empresa de energia E.ON, que fechou em queda de 4,92%. Parte do mau humor foi compensado pela alta dos papéis da Deutsche Lufthansa (+1,01), que ganharam impulso com combustíveis mais baratos. Ainda assim, o índice DAX caiu para 13.125,64 pontos (-0,44%).
Em Paris, o petróleo em queda prejudicou o desempenho da petroleira Total na sessão. A empresa recuou 0,85%. O índice CAC-40 terminou em 5.399,45 pontos (-0,51%).
A Bolsa de Londres se sustentou no terreno positivo até quase o encerramento do pregão, mas nos minutos finais houve uma reversão de tendência, terminando em leve queda de 0,05%, aos 7 496,51 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia