Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Conjuntura Internacional

Alterada em 11/12 às 13h44min

Reforma tributária nos EUA pode distorcer o comércio internacional, alerta UE

Os ministros de Finanças das cinco maiores economias da Europa alertaram os Estados Unidos que a reforma tributária planejada pelo país pode violar seus tratados de dupla tributação e podem estar em desacordo com as regras do comércio mundial.
Em uma carta enviada ao secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, e obtida pelo The Wall Street Journal, os ministros dizem que embora a legislação tributária seja um pilar essencial da soberania de um Estado, os países devem respeitar as regras internacionais.
"Embora o estabelecimento de um sistema tributário moderno, competitivo e robusto seja um dos pilares essenciais da soberania de um Estado, é importante que os direitos do governo dos EUA sobre a política tributária doméstica sejam exercidos de forma a cumprir as obrigações internacionais com as quais se comprometeu", escreveram os ministros na carta.
"A inclusão de certas disposições fiscais internacionais menos convencionais poderia contrariar os tratados de dupla tributação dos EUA e pode arriscar ter um grande impacto de distorção no comércio internacional", acrescentaram.
A carta foi assinada pelo Ministro das Finanças da Alemanha, Peter Altmaier, pelo Ministro das Finanças francês Bruno Le Maire, pelo seu homólogo italiano Pier Carlo Padoan, pelo Ministro do Orçamento da Espanha, Cristóbal Montoro, e pelo chanceler do Reino Unido, Philip Hammond. Fonte: Dow Jones Newswires.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia