Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 10 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

08/12/2017 - 22h11min. Alterada em 10/12 às 17h57min

'A gente virou exportador de Renner', diz Galló

"As lojas estão muito bem, é o teste do nosso modelo lá fora", diz Galló, sobre Uruguai

"As lojas estão muito bem, é o teste do nosso modelo lá fora", diz Galló, sobre Uruguai


FREDY VIEIRA/JC
Marysol Cooper
O presidente da Renner, José Galló, descartou que a companhia poderá expandir, por enquanto, sua operação para mais países, após a rede ter chegado ao Uruguai em setembro passado. Galló, que foi o palestrante do Tá na Mesa, nesta sexta-feira (8), em Porto Alegre, diz que o grupo, maior rede de varejo de moda do Brasil, quer primeiro consolidar a atuação no mais vizinho. "Talvez tenha mais oportunidades no Uruguai", justificou o empresário.
"As lojas estão acima da nossa expectativa, estão indo muito certo. É o teste do nosso modelo lá fora", afirmou. A Renner já tem duas operações em Montevidéu - uma loja de rua e outra em shopping. Até o começo de 2018, mais duas filiais serão inauguradas.
> Confira no vídeo o que disse José Galló:
Segundo Galló, antes de pensar em avançar a outros países é preciso fazer ajustes de sistemas e distribuição, que é feita a partir de centros localizados no sul do Brasil. "A gente virou agora exportador de Renner", definiu o presidente da varejista, que fechará 2017 com 70 novas lojas abertas, entre as bandeiras Renner, YouCom e Camicado. A rede soma cerca de 500 pontos e cerca de 20 mil funcionários.
A principal meta a cumprir em 2018, de acordo com Galló, será adequar os processos de exportação das peças para o Uruguai. “O Brasil é bastante fechado e burocrático quando o assunto é importação, principalmente para o vestuário”, explica. Ele ressalta que as taxas chegam a alcançar 90% em cima de cada peça, somando todos os custos de tarifa e frete.
O CEO da companhia analisou que o varejo varejista se sobressai em um cenário de escassez no Brasil em virtude da queda na inflação acumulada em 2017, com taxa que saiu de 10% em 2016 para abaixo de 3% neste fim de ano. "Além desse fator, o aumento da confiança e a diminuição das taxas de juros contribuíram para a condição invejável das vendas das Lojas Renner", elencou o presidente. 
Para 2018, Galló espera um ritmo mais acelerado no cumprimento das metas, principalmente se o resultado das eleições for um sucesso, sem especificar o que seria a condição para este êxito. “Essa é a maior incógnita do momento”, afirma ele, que ainda não consegue prever o futuro da economia, mas já caracteriza o momento atual como um “verdadeiro milagre”.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia