Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Indústria Automotiva

Alterada em 01/12 às 15h16min

Vendas de veículos novos sobem 14,63% em novembro

Cerca de 204 mil unidades foram emplacadas no mês passado, alta de 0,66% ante outubro

Cerca de 204 mil unidades foram emplacadas no mês passado, alta de 0,66% ante outubro


MARCO QUINTANA/JC
No sétimo mês consecutivo de crescimento no comparativo interanual, as vendas de veículos novos no País subiram 14,63% em novembro, ante igual período de 2016, conforme balanço divulgado nesta sexta-feira (1°) pela Fenabrave, entidade que representa as concessionárias de automóveis.
Entre carros de passeios, utilitários leves - como picapes e vans -, caminhões e ônibus, 204,2 mil unidades foram emplacadas no mês passado, o que significa uma alta de 0,66% ante outubro. No acumulado dos 11 primeiros meses do ano, o crescimento é de 9,8% em relação ao mesmo período de 2016, num total de 2,03 milhões de veículos.
Todas as categorias do mercado automotivo ficaram no azul em novembro. Na maior delas, a de carros de passeio e utilitários leves, a alta chegou a 13,66% na comparação com novembro de 2016, para 197,2 mil unidades comercializadas no mês passado. Na mesma base comparativa, as vendas de caminhões cresceram 45,45%, chegando a 5,5 mil unidades em novembro, enquanto as de ônibus subiram 80,07%, para 1,4 mil.
Ao comentar os números, o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, disse, em nota, que os resultados de novembro confirmam as expectativas de recuperação do setor. "A alta nos índices de confiança e a contínua queda na inadimplência, que registrou o menor índice desde 2011, fizeram com que o comprador voltasse às concessionárias", comentou o executivo, também citando influência positiva da maior oferta de crédito.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia