Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Acontece

Notícia da edição impressa de 22/12/2017. Alterada em 21/12 às 16h46min

Livro infantil interativo de Camila Piva ganha segunda edição

A obra infantil Viva este livro (Ciranda Cultural, 128 págs., R$ 29,90), de Camila Piva, ganha segunda edição, com a proposta de contribuir para o autoconhecimento da criança - chave que abre a porta da plenitude emocional -, de uma forma lúdica e divertida. Apesar de muito abordado nos dias de hoje, o tema ainda é pouco explorado no universo deste público-alvo.
Por ser totalmente interativo, o protagonista do livro é o próprio leitor. A obra sugere diferentes ações que estimulam a criatividade, ousadia, descobertas, de forma libertadora. Em cada página, o pequeno leitor é convidado a fazer uma atividade diferente, que o faz pensar sobre sua vida, sentimentos e desejos.
Com instruções simples e bem-humoradas, está dividido em ações como: crie o seu próprio lema, seja um chef de cozinha, faça uma lista de materiais que gostaria de ter, escolha um livro para doar, pratique o silêncio, escreva uma história etc. A última proposta é que o leitor guarde o livro por 10 anos, e após esse período, o visite, lendo e relembrando cada anotação.
Camila é designer e empresária da comunicação. Ela também lançou em 2017 o best-seller Quero ser uma Youtuber, em parceria com Julia Silva (Youtuber mirim com mais de 2 milhões de seguidores). Viva este livro teve a contribuição de leitura crítica da professora Marcia Guidin (Academia Paulista de Educação). Também passou por uma análise do Instituto Alana, organização sem fins lucrativos que aposta em programas que buscam a garantia de condições para a vivência plena da infância.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia