Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

congresso nacional

Notícia da edição impressa de 01/12/2017. Alterada em 30/11 às 22h37min

Rodrigo Maia avalia que o governo está longe de ter os votos para aprovar a reforma

O presidente de Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse, nesta quinta-feira, que "temos votos" para que seja possível aprovar a reforma da Previdência. "A gente está tentando construir o texto em cima dos 308 votos (apoio necessário para aprovação). Mas a gente sabe que estamos muito longe disso ainda, muito longe mesmo", disse após palestrar em um evento promovido pelo banco J.P. Morgan.
Na avaliação de Maia, nos últimos meses, o governo perdeu força no Congresso, especialmente devido às denúncias da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer (PMDB). "A gente sabe das dificuldades. A base do governo passou por duas votações de denúncia, com desgaste muito grande. Têm aqueles que, mesmo compreendendo a importância da votação, não confirmaram que podem votar com a matéria", destacou. Para ele, falta apoio de partidos que integram o governo, como PSD e PR.
Em outubro, a Câmara rejeitou o prosseguimento da segunda denúncia apresentada pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal contra Temer, por obstrução de Justiça e organização criminosa. Em junho, Janot já havia denunciado o presidente pelo crime de corrupção passiva. A denúncia foi rejeitada em agosto.
Para tentar conseguir os votos para aprovar a reforma, Maia disse que vai se empenhar, junto com o governo, nas articulações com os deputados. "Domingo, o governo vai fazer uma reunião. Eu vou participar com os líderes, com os ministros, e vamos tentar construir um caminho. A nossa responsabilidade no Brasil é muito grande. A reforma da Previdência, diferentemente do que a oposição vende, não tira nenhum direito do trabalhador pobre", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia