Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Funcionalismo

07/11/2017 - 19h00min. Alterada em 07/11 às 19h35min

Municipários de Porto Alegre mantêm greve, mesmo após recuo de Marchezan

Categoria decidiu manter greve para pressionar pela retirada de todos os projetos da Câmara

Categoria decidiu manter greve para pressionar pela retirada de todos os projetos da Câmara


CLAITON DORNELLES /JC
Mesmo com a retirada de tramitação do projeto que modificava os regimes de trabalho dos servidores, o Sindicato dos Municipários de Porto Alegre decidiu manter a greve geral, em assembleia realizada na tarde desta terça-feira (7), na Casa do Gaúcho.
Em nota, o sindicato diz esperar que o governo municipal receba a categoria para discutir os demais projetos em tramitação na Câmara de Vereadores que desagradam os municipários, além de reivindicar a suspensão do parcelamento de salários, a reposição da inflação e a compensação dos dias parados, sem punições aos grevistas.
Mais cedo, em entrevista ao Jornal do Comércio, o diretor-geral do Simpa, Jonas Reis, reclamou da atitude do governo, ao não comunicar oficialmente ao comando de greve a retirada do projeto. “Não recebemos nenhum documento ou um telefonema para informar isso”, apontou Reis.
Mesmo sem a confirmação direta aos municipários, o líder do governo no Legislativo, vereador Moisés Maluco do Bem (PSDB), entregou à presidência da Câmara o ofício do prefeito Nelson Marchezan Júnior confirmando a retirada da matéria. A próxima assembleia geral do Simpa está agendada para terça-feira (14). Até lá, o sindicato aguarda uma nova proposta do governo municipal.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia