Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Previdência

Notícia da edição impressa de 07/11/2017. Alterada em 06/11 às 21h59min

Governo não tem votos para aprovar reforma

Ano eleitoral vai dificultar a votação da matéria no plenário

Ano eleitoral vai dificultar a votação da matéria no plenário


FABIO RODRIGUES POZZEMBOM/AGÊNCIA BRASIL/JC
O líder do partido do presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados, Baleia Rossi (PMDB-SP), afirmou, ontem, que o governo não tem os votos necessários para a aprovação da reforma da Previdência na Casa. "Nós, antes das denúncias, tínhamos um quadro de iminente aprovação da reforma, e a realidade é que o quadro, hoje, não é esse. Hoje, o governo não tem os votos necessários para aprovar uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional)", disse, em entrevista coletiva.
Aliados do governo têm dito publicamente que a pauta da reforma do sistema previdenciário é a prioridade número um após a derrubada da segunda denúncia contra Temer, que foi enterrada pela Câmara no fim de outubro. Alguns chegaram a afirmar que as discussões seriam retomadas nesta semana. Nos bastidores, líderes da base afirmam que será difícil votar uma reforma que precisa de 308 votos para ser aprovada. Um termômetro que está sendo utilizado para medir a quantidade de votos é o resultado da denúncia, em que o presidente contabilizou perdas: Temer recebeu 251 votos na segunda, contra 263 na primeira.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia