Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 02 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Congresso Nacional

Notícia da edição impressa de 03/11/2017. Alterada em 02/11 às 22h33min

Um quarto da Casa vota e defende o Estado maior, segundo pesquisa

No último um ano e meio, 25% do Congresso Nacional votou contra matérias relevantes que procuram reduzir privilégios e/ou o inchaço do Estado. Uma faixa de 39% dos deputados e senadores se posicionou timidamente a favor das medidas. Aqueles que votaram consistentemente a favor delas somaram 35%.
O levantamento foi feito a pedido da Folha de S.Paulo pelo Ranking dos Políticos, organização civil que monitora o desempenho parlamentar. Foram analisadas cinco votações na Câmara e quatro no Senado.
Duas delas ocorreram em ambas as Casas: a da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Teto, que limitou gastos públicos por 20 anos, e do projeto que revogou a obrigatoriedade de a Petrobras participar da exploração do pré-sal.
No levantamento, o Ranking dos Políticos deu um ponto por projeto ao congressista que votou de acordo com seus critérios, tirou um ponto do que votou contra e deu zero ao que se ausentou.
Na avaliação, 18 senadores têm "nota vermelha". Metade deles é do PT, e Gleisi Hoffmann (PR), presidente do partido, foi a mais mal colocada urgência para analisar o fim do sigilo de operações do Bndes).
Três peemedebistas, porém, nem sequer foram classificados, porque se ausentaram nas quatro votações: Renan Calheiros (AL), Zezé Perrella (MG) e Jader Barbalho (PA).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia