Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

câmara dos deputados

Alterada em 02/11 às 00h06min

Maia cobra 'provas' de acusações de ministro sobre cúpula da segurança do Rio

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cobrou nesta quarta-feira, 1º, que o ministro da Justiça, Torquato Jardim, apresente provas das acusações que fez contra a cúpula de segurança pública do Rio. Em entrevistas, o ministro acusou políticos e comandantes de batalhão da Polícia Militar de se associarem ao crime organizado e também afirmou que o governador e o secretário de Segurança, Roberto Sá, não têm controle sobre a PM.
"Recebi com perplexidade as declarações feitas pelo ministro da Justiça, Torquato Jardim, sobre a segurança pública do Rio de Janeiro. Espero que o ministro apresente provas sobre as graves acusações, que o governo federal também se pronuncie oficialmente e, principalmente, o Rio espera ações do governo e do ministro da Justiça", disse Maia em declaração divulgada por sua assessoria de imprensa.
Nesta quarta-feira, 1º, governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), entrou com uma "interpelação judicial" contra o ministro da Justiça. Pezão disse à reportagem que o objetivo do procedimento é para que o ministro "informe o que ele tem contra a cúpula (da polícia) e os policiais".
A interpelação judicial é usada para casos, referências, alusões ou frases, em que se infere calúnia, difamação ou injúria. Quem se julga ofendido pode pedir explicações em juízo. Quem se recusa a responder ou não se justifica pode responder por calúnia, injúria e difamação e prevaricação.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia