Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 23/11/2017. Alterada em 22/11 às 21h07min

Usando as palavras corretas

Fabio Steren
Acho muito engraçado quando vejo um grupo de ativistas gritando palavras de ordem e chamando aqueles que divergem de suas ideias de fascistas. Será que essas pessoas sabem de fato sobre o que estão falando e qual o real significado desse termo? Pois me parece que não.
Não estou querendo trazer a ideia de que não se possa protestar ou expor ideias, muito pelo contrário, acredito que devemos fazer isso sempre, mas conscientes daquilo que estamos defendendo, e não somente proferir palavras e frases que não fazem sentido com a própria ação.
Se pegarmos tradução literal da palavra fascismo, veremos que se trata de um movimento político e filosófico que faz prevalecer os conceitos de nação e raça sobre os valores individuais, e que é representado por um governo autocrático, centralizado na figura de um ditador.
Ora, a exemplo de Cuba e da Venezuela, não é justamente isso que muitos partidos da esquerda querem? Então por que chamar de fascistas aqueles que defendem a liberdade do indivíduo? Cada um tem o direito de acreditar e defender a ideia que lhe parece mais adequada, mas acredito que o primeiro passo seja saber o que se está apoiando. Parece-me que há uma inversão de conceitos e valores nesse ativismo.
No meu entendimento, existe somente uma direção, a da defesa dos direitos individuais e da liberdade como valor inalienável em uma sociedade.
O caminho justo aos que mais precisam passa pela diminuição do Estado. Assim, valorizamos o indivíduo, que passa a ter mais autonomia sobre a própria vida, livre dos vícios e das migalhas dadas pelo Estado.
Caso este discurso não lhe agrade, não há problema, pois sempre haverá respeito e espaço para ideias diferentes a partir da ótica liberal. Acredito que aqueles que chamam de fascistas todos os que têm ideias contrárias às suas deveriam, pelo menos, buscar saber se estão utilizando a expressão corretamente.
Consultor em segurança, empresário e associado do IEE
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia