Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Espanha

Notícia da edição impressa de 07/11/2017. Alterada em 06/11 às 22h42min

Líder catalão deposto afirma ser vítima de 'brutal ofensiva judicial'

O presidente regional deposto da Catalunha, Carles Puigdemont, afirmou que ele e outros líderes separatistas catalães são vítimas de uma "brutal ofensiva judicial" pelo governo espanhol devido às tentativas de secessão. Puigdemont e outros quatro membros de seu governo fugiram para a Bélgica depois que as autoridades espanholas assumiram o controle da Catalunha em 28 de outubro devido às tentativas de independência.
Nove outros membros do gabinete deposto na mesma rebelião foram enviados à prisão em Madri, oito deles sem a possibilidade de pagamento de fiança, enquanto a investigação judicial continua. O Tribunal Constitucional espanhol decidiu que a secessão é ilegal. Em uma coluna publicada nesta segunda-feira no jornal britânico The Guardian, Puigdemont disse que as detenções são motivo para "indignação colossal" e prometeu lutar pelos direitos dos separatistas.
Ele afirmou ainda que sua intenção é a de chamar a atenção de outros países da União Europeia para a "repressão espanhola" e "exigir uma solução política, e não judicial, para a questão".
Puigdemont também se manifestou por meio de sua conta no Twitter, na qual escreveu a frase "em liberdade e sem fiança". "Acompanhamos nossos camaradas injustamente presos por um Estado que se distancia dos princípios democráticos", completou. Um juiz em Bruxelas libertou Puigdemont e outros separatistas, com a condição de que permaneçam no país e compareçam a sessões judiciais.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia