Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança pública

Notícia da edição impressa de 07/11/2017. Alterada em 06/11 às 21h24min

Pelo segundo mês consecutivo, Polícia Civil interrompe serviços no Rio Grande do Sul

Igor Natusch
Pelo segundo mês seguido, a Polícia Civil está em greve no Rio Grande do Sul. A paralisação, que começou ontem, foi motivada pelos parcelamentos salariais promovidos pelo governo. Segundo o Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia do Rio Grande do Sul (Ugeirm), está garantido o atendimento a idosos, crianças e mulheres vítimas de violência. Casos de urgência também estão sendo atendidos.
De acordo com Isaac Ortiz, presidente do Ugeirm, a adesão é de quase 100%. "Não é uma greve inventada de uma hora para a outra, vem sendo construída a partir de 24 meses de parcelamentos. Estamos pedindo algo básico, que é receber o salário do mês." Segundo o sindicato, servidores estão nas delegacias, orientando as pessoas que buscam os serviços interrompidos. Ocorrências consideradas sem urgência devem ser feitas pela Delegacia Online (www.delegaciaonline.rs.gov.br).
Em nota, a Polícia Civil reforça que "os agentes têm direito a manifestação, mas esta deve observar os parâmetros legais, evitando-se prejuízos à população". O texto reforça que a sociedade "não ficará desamparada, mesmo nos momentos mais difíceis".
Uma mesa de negociação entre governo e grevistas está marcada para amanhã, mas o presidente da Ugeirm considera "muito difícil" que haja qualquer avanço no encontro. Os policiais devem seguir de braços cruzados até a integralização dos salários - o que, segundo o governo gaúcho, deve ocorrer até o dia 14 de novembro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia