Porto Alegre, quinta-feira, 23 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

COMENTAR | CORRIGIR

vinícolas

Notícia da edição impressa de 24/11/2017. Alterada em 23/11 às 20h17min

Peterlongo vive a melhor fase de um projeto centenário

Empresa entende que um dos caminhos mais eficientes para criar uma cultura do vinho nas pessoas é o enoturismo

Empresa entende que um dos caminhos mais eficientes para criar uma cultura do vinho nas pessoas é o enoturismo


JEFERSON SOLDI/DIVULGAÇÃO/JC
A empresa pioneira na fabricação de espumantes no Brasil não pretende viver de passado. Quer, é claro, exaltar a história da família de imigrantes que implantou no País a cultura das borbulhas. Mas o que deseja mesmo é se aventurar no futuro promissor que vislumbra diante de si. Assim é a centenária Peterlongo, que, depois de sanar uma crise financeira que quase inviabilizou seu funcionamento, apresenta ao mercado toda a sua capacidade criativa.
"Vivemos a nossa melhor fase", ressalta o sócio-diretor da empresa Luiz Carlos Sella. Um dos primeiros passos na direção deste novo momento foi a contratação, no ano passado, do enólogo e consultor francês Pascal Marty, cuja principal missão era estudar a fundo os vinhedos e as técnicas de vinificação para elevar a qualidade do vinho base para os espumantes. Marty também acompanhou o ingresso da mais tradicional produtora de espumantes do País no mercado dos vinhos tranquilos. Em 2017, foram lançados rótulos brancos, rosés e tintos das linhas Terras e Armando. As linhas de espumantes também já estão revitalizadas, especialmente os rótulos Presence e Privilege, que ganharam novas garrafas e ainda mais apuro na fabricação.
Mesmo com a entrada no universo dos vinhos tranquilos, os espumantes continuam sendo a prioridade absoluta da Peterlongo. Ainda mais agora, no momento positivo e de prestígio que vive o produto nacional. "Quando comprei a empresa, há 15 anos, o espumante brasileiro nem era considerado um bom produto. Hoje, está entre os melhores do mundo, reconhecido merecidamente pela qualidade que tem. Temos muito orgulho por fazer parte dessa história", emociona-se Sella.
Para a vinícola, um dos caminhos mais eficientes não apenas para tornar o produto mais conhecido, mas para criar uma cultura do vinho nas pessoas, é o enoturismo. Por isso os investimentos nessa área foram altos nos últimos anos. A mudança no local do varejo, que deve ocorrer em 2018, é mais uma iniciativa para atrair visitantes para as dependências da vinícola. "Queremos que as pessoas nos conheçam, pois é só assim que o vinho vai fazer parte da vida delas. Temos uma história construída ao longo de mais de 100 anos e queremos compartilhar tudo isso com os clientes e com os amantes do vinho", completa Luiz Carlos Sella.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Antiga p agina Inicial

Acesse o caderno especial online