Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Crédito

Alterada em 28/11 às 11h52min

Volume de cheques devolvidos cai e atinge 1,80% em outubro, diz Serasa

No mês passado, 761.812 cheques foram devolvidos e 42.335.890 foram compensados

No mês passado, 761.812 cheques foram devolvidos e 42.335.890 foram compensados


JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
O volume de cheques devolvidos pela segunda vez por falta de fundo no País diminuiu o ritmo de queda em outubro e atingiu 1,80% em relação a igual mês de 2016, conforme a Serasa Experian. Naquela ocasião de 2016, o nível de devolução foi de 2,52%. O dado de outubro é o menor para o mês desde 2010, quando alcançou 1,56%.
No mês passado, 761.812 cheques foram devolvidos e 42.335.890 foram compensados. Em outubro do ano passado, as devoluções atingiram 1.204.402 e as compensações alcançaram 47.802.370.
No acumulado do ano até outubro, o porcentual de documentos que voltou para o cliente por falta de fundo foi de 2,01%, menor que o de 2,36% apurado no mesmo período de 2016. Trata-se do resultado mais baixo desde 2013 (2,01%).
A retomada da renda real dos consumidores com a queda da inflação e a melhora do emprego estão ajudando a reduzir a inadimplência com cheques, afirmam os economistas da Serasa.
O Nordeste liderou o ranking de devoluções de cheques por falta de fundo, com 3,94%, enquanto a região Sul apresentou o menor porcentual, ficando em 1,67%, de janeiro a outubro.
Por Estados, o Amapá permaneceu na liderança: o nível de documentos devolvidos alcançou 15,81%. Em contrapartida, São Paulo registrou o volume mais baixo (1,60%).
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia