Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Notícia da edição impressa de 28/11/2017. Alterada em 28/11 às 08h29min

Polo carboquímico elevará produção de carvão gaúcho

Extração do minério pode atingir 3,5 milhões de toneladas por ano

Extração do minério pode atingir 3,5 milhões de toneladas por ano


/CRM/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
Dentro de um cenário conservador, a implantação de um polo carboquímico no Rio Grande Sul incrementará, no mínimo, em 80% a produção de carvão no Estado. Um estudo (ainda em andamento) de avaliação do impacto econômico da criação de um polo dessa atividade na região será apresentado durante o evento Alternativas Sustentáveis do Uso do Carvão: Oportunidades do Complexo Carboquímico no Brasil - Marco Regulatório para Atração de Investimentos, que ocorrerá amanhã, a partir das 9h30min, na Fiergs. Na quinta-feira, desdobrando as ações do seminário, serão feitas visitas à região carbonífera gaúcha.
O coordenador da pós-graduação de Desenvolvimento Econômico da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Alexandre Porsse, que está envolvido com a pesquisa encomendada pela própria Fiergs, detalha que a carboquímica elevaria a extração de carvão no Rio Grande do Sul em, pelo menos, 3,5 milhões de toneladas ao ano. Essa estimativa leva em conta a implantação de uma unidade de gaseificação do mineral com capacidade para a produção de cerca de 2,14 milhões de metros cúbicos diários de Gás Natural Sintético (GNS). O investimento nessa planta de gaseificação é calculado em torno de US$ 2 bilhões. Essa projeção da potencialidade da prática no Estado é a mais modesta e não leva em conta a vinda de outras fábricas para a produção de amônia, ureia e metanol através do GNS.
O levantamento, iniciado em novembro e que deve ser concluído até fevereiro, prevê o começo de implantação do empreendimento de gaseificação a partir de 2019, com entrada em operação em 2023, apontando que há espaço para esse tipo de iniciativa na região. Hoje, a capacidade do gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol) para atender ao Estado é de aproximadamente 2,8 milhões de metros cúbicos de gás natural ao dia, e o consumo é de cerca de 2 milhões de metros cúbicos diários. O GNS tem condições de atender às mesmas finalidades do gás boliviano, que, no momento, é o único insumo dessa natureza que chega ao Rio Grande do Sul.
O secretário de Minas e Energia, Artur Lemos Júnior, adianta que a expectativa é que empresas do setor, bancos e fundos de investimentos percebam que o mercado da carboquímica é algo viável no Rio Grande do Sul. De acordo com o governo gaúcho, os planos já anunciados de empresas que desejam instalar complexos carboquímicos no Estado para a produção de GNS já ultrapassariam o patamar dos US$ 2 bilhões, totalizando investimentos de aproximadamente US$ 4,4 bilhões. Entre os grupos envolvidos com empreendimentos dessa natureza estão a Companhia Riograndense de Mineração (CRM), a Vamtec e a Copelmi, e a sul-coreana Posco.
Além dessas companhias, estarão presente no evento da Fiergs empresas como Shell, Air Liquide, Synthesis Energy Sustems (SES) e IHI. Lemos frisa que a vinda de grupos internacionais para o encontro é uma comprovação da viabilidade da ideia. O secretário adianta que, também nesta quarta-feira, o governador José Ivo Sartori sancionará a política pública que rege as normas da carboquímica no Estado e que dará segurança jurídica para os empreendedores.
Recentemente, foi aprovado, na Assembleia Legislativa, o Projeto de Lei nº 191/2017, que instituiu a Política Estadual do Carvão Mineral e o Polo Carboquímico gaúcho. A medida, entre outros pontos, determina os locais em que poderão ser praticadas as atividades do setor, indica as exigências quanto ao licenciamento ambiental e salienta as políticas públicas no Estado relativas ao segmento.
O polo carboquímico terá como foco duas regiões: Baixo Jacuí e Campanha. A primeira envolve os municípios de Arroio dos Ratos, Barão do Triunfo, Butiá, Charqueadas, Eldorado do Sul, General Câmara, Minas do Leão, São Jerônimo e Triunfo. Já a segunda, as cidades de Aceguá, Bagé, Caçapava do Sul, Candiota, Dom Pedrito, Hulha Negra, Lavras do Sul, Pinheiro Machado e Pedras Altas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Arnaldo 28/11/2017 09h37min
Chuvas ácidas em breve no RS, o pessoal da agricultura não vai gostar muito...
Luiz Einloft 28/11/2017 09h17min
No Campus da CIENTEC em Cachoeirinha, há diversas Plantas semi-Industriais especificas para trabalhos de pesquisa na Area da CARBOQUIMICA e do CARVÃO MINERAL. Investimentos somam a mais de 15 milhões de Reais somente em equipamentos especificos, que serão sucateados pelo simples fato da Extinção desta Instituição, além é claro do conhecimento intelectual desperdiçado.