Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

Notícia da edição impressa de 28/11/2017. Alterada em 27/11 às 23h29min

Bloco de Libra inicia a produção de pré-sal

Operação é realizada por consórcio entre Petrobras e outras empresas

Operação é realizada por consórcio entre Petrobras e outras empresas


/VISUALHUNT.COM /VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
A Petrobras informou a entrada em produção do bloco de Libra, localizado no pré-sal da Bacia de Santos. A produção teve início no domingo, a partir da FPSO Pioneiro de Libra, unidade flutuante que produz, armazena e transfere petróleo e gás natural. 
A atividade no bloco gigante de Libra, por sua magnitude, potencial de produção, boa qualidade do óleo e o alto valor comercial, abre novas oportunidades de negócios na indústria petrolífera offshore brasileira.
Ainda em fase de testes de longa duração e sistemas de produção antecipada, a FPSO Pioneira de Libra é a primeira unidade da Petrobras equipada para injetar todo o gás produzido durante os testes. Até o momento, foram perfurados 12 poços no bloco de Libra, e o bloco tem capacidade de processar, diariamente, até 50 mil barris de petróleo e 4 milhões de metros cúbicos de gás associado.
O início de produção de Libra ocorre cerca de quatro anos depois de o bloco ter sido arrematado no primeiro leilão do pré-sal no regime de partilha. Com duração prevista de um ano, o teste busca avaliar o comportamento do reservatório de petróleo e ampliar o conhecimento das características da jazida.
Depois da conclusão do primeiro teste, a FPSO será deslocada para operar os sistemas de produção antecipada em outros poços do mesmo prospecto, "com o objetivo de aumentar ainda mais o conhecimento da jazida e também de apoiar o desenvolvimento e otimização de todas as futuras unidades a serem instaladas na área".
Liderado pela Petrobras, com 40% de participação, o consórcio de Libra tem ainda a Shell como parceira, com 20% de participação; a Total, com 20%; as chinesas CNPC, com 10%; e a CNOOC, com 10%. O consórcio ainda conta com a participação da estatal Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia