Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 23/11 às 15h39min

Bolsas da Europa fecham sem direção única, com indicadores e ata do BCE

Os mercados acionários europeus fecharam sem direção única nesta quinta-feira (23) reagindo a indicadores econômicos da região, em um dia de liquidez reduzida devido ao feriado do Dia de Ação de Graça nos Estados Unidos. A ata da última reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) também esteve no centro das atenções dos investidores.
O índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em baixa de 0,03% (-0,12 ponto), aos 386,94 pontos.
Os negócios em solo europeu começaram o dia em tom negativo na esteira da forte queda nos mercados acionários chineses, que caíram mais de 2% em meio a preocupações com esforços de Pequim para reforçar a regulação dos serviços financeiros. No entanto, o sentimento baixista foi abandonado ao longo do pregão devido a indicadores econômicos da região.
De acordo com a IHS Markit, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da zona do euro subiu de 56,0 em outubro para 57,5 na leitura preliminar de novembro, atingindo o maior nível em 79 meses. Analistas consultados pelo Wall Street Journal previam estabilidade do indicador. Apoiado pelo PMI composto, o euro foi à máxima do dia e ampliou a alta em relação ao dólar, que já vinha em queda desde o dia anterior, quando a ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) mostrou a preocupação de parte dos dirigentes em torno da persistente fraqueza da inflação no país.
Na Alemanha, o Produto Interno Bruto (PIB) teve crescimento de 0,8% no segundo trimestre ante o período de três meses anterior e de 2,8% na comparação com o terceiro trimestre do ano passado. A IHS Markit também mostrou que o PMI composto alemão subiu de 56,6 em outubro para 57,6 em novembro, devido à forte alta no PMI industrial, que atingiu o maior nível em 81 meses, ao subir para 62,5 na preliminar de novembro, enquanto analistas esperava o indicador a 60,4.
Nem mesmo os fortes resultados da Alemanha fizeram com que o DAX encerrasse o dia no terreno positivo. O índice, da bolsa de Frankfurt, fechou em baixa de 0,05%, aos 13.008,55 pontos, com os investidores ainda atentos à política no país, à medida que o Partido social-democrata (SPD, na sigla em alemão) aceitou negociar a manutenção da grande coalizão com o bloco conservador da chanceler Angela Merkel. O euro mais forte pesou nas ações de exportadoras, com a Daimler cedendo 0,24%. O movimento baixista não foi maior devido ao salto de 4,33% dos papéis da Thyssenkrupp, após a companhia divulgar que o Ebit ajustado subiu 30% no ano fiscal de 2017, encerrado em setembro, enquanto as vendas cresceram 9,4%.
Já a economia britânica cresceu 0,4% entre julho e setembro no confronto com segundo trimestre deste ano e mostrou avanço de 1,5% na comparação anual. Os números confirmaram estimativas preliminares. A libra ganhou força após o dado, mas voltou a perder um pouco de força durante o pregão. Com isso, o índice FTSE-100 fechou praticamente estável, em queda de 0,02%, aos 7.417,24 pontos.
Na França, o PMI composto saltou de 57,4 em outubro para 60,1 em novembro, bastante acima do esperado, de 57,2, de acordo com a IHS Markit. Nesse cenário, o índice CAC-40, da bolsa de Paris, fechou em alta de 0,50%, aos 5.379,54 pontos. "O aumento no PMI composto acima de 60 pela primeira vez desde 2006 foi impulsionado por melhores dados nos serviços e na indústria, apontando para uma ampla recuperação no setor comercial francês", avaliou o economista-chefe para zona do euro da Pantheon Macroeconomics, Claus Vistesen.
Durante o dia, foi divulgada a ata da última reunião de política monetária do BCE. Dirigentes da instituição divergiram sobre a possibilidade de anunciar uma data final para o programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês) da instituição, com alguns alertando que um QE por tempo indeterminado poderia levar investidores a especular sobre uma nova extensão, segundo o documento.
O índice Ibex-35, da bolsa de Madri, fechou em alta de 0,19%, aos 10.032,80 pontos, enquanto em Lisboa houve alta de 0,09% do índice PSI-20, que encerrou em 5.309,76 pontos. Na bolsa de Milão, o índice FTSE-MIB fechou em alta de 0,37%, aos 22.397,78 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia