Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 22/11/2017. Alterada em 21/11 às 22h31min

Confiança do empresário gaúcho é a maior desde março de 2011, segundo a Fiergs

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei-RS), divulgado ontem pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), cresceu 1,9 ponto entre outubro e novembro, a quinta elevação seguida. Ao atingir 59 pontos, alcançou o maior valor desde março de 2011. "A nova alta da confiança em novembro sinaliza que a gradual recuperação da atividade da indústria gaúcha segue em curso, ainda mais se considerarmos o quinto mês consecutivo de aumento neste índice, o que sinaliza também com alguma aceleração nos próximos meses", diz o presidente da Fiergs, Gilberto Petry. O valor acima de 50 pontos revela confiança, e a tendência crescente mostra que ela está cada vez mais disseminada entre os empresários gaúchos, observa Petry.
O Icei-RS leva em conta as condições atuais e as expectativas tanto para a economia brasileira quanto para a própria empresa. Outro ponto a indicar uma evolução gradativa na percepção dos empresários gaúchos é que todos os indicadores em novembro avançaram na comparação com outubro e estão acima dos 50 pontos, que expressam condições melhores e expectativas otimistas. "O empresariado do Rio Grande do Sul, porém, percebe que o atual processo de recuperação do País só se consolidará com ajustes na economia e avanços nas reformas", ressalta o presidente da Fiergs.
Na avaliação dos empresários sobre as condições atuais, o índice ficou em 55 pontos em novembro, ante 53,2 em outubro. É o maior valor desde outubro de 2010. Em relação à economia brasileira, passou de 53 para 53,8 pontos, enquanto o que diz respeito à empresa aumentou de 53,4 para 55,8 pontos. As condições da economia não eram tão favoráveis desde novembro de 2010, e as das empresas, desde junho do mesmo ano.
A consequência das condições mais favoráveis se reflete em novembro no Índice de Expectativas para os próximos seis meses, com um avanço para 60,9 pontos, 1,8 a mais do que em outubro. Houve igualmente alta de 1,5 ponto no subcomponente de expectativas com a economia brasileira (55,9 pontos) e de 1,6 ponto no das empresas (63,5). O percentual de empresários otimistas com a economia brasileira é de 38,4%, quase três vezes maior que o de pessimistas (13,6%).
No levantamento do Icei-RS de novembro, foram consultadas 255 empresas no Estado, sendo 64 pequenas, 93 médias e 98 grandes, entre os dias 1 e 14.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia