Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Energia

Alterada em 21/11 às 15h32min

Chuvas aceleram produção e Itaipu atinge marca histórica antes do previsto

Usina chegou a 2,5 bilhões de MWh de energia acumulada desde início da operação, em maio de 1984

Usina chegou a 2,5 bilhões de MWh de energia acumulada desde início da operação, em maio de 1984


ALEXANDRE MARCHETTI/ITAIPU BINACIONAL/ARQUIVO/JC
A usina de Itaipu atingiu nesta terça-feira (21) a marca de 2,5 bilhões de megawatts-hora (MWh) de energia acumulada desde que a hidrelétrica entrou em operação, em maio de 1984. A marca histórica estava prevista para ocorrer nesta quarta-feira, mas com o aumento do volume de chuvas nos últimos dias a usina ampliou sua produção, antecipando o marco.
Já estava marcada para amanhã uma cerimônia comemorativa sobre a marca histórica com a presença do ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, e do presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, além de toda a diretoria da Itaipu, e foi mantida. Também são esperados ministros de Energia da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que estão em Foz do Iguaçu nesta semana para uma reunião de trabalho.
Conforme destacou Itaipu, com essa produção acumulada, seria possível iluminar o Brasil por 5 anos e 3 meses, o Paraguai por 176 anos e a Argentina por 19 anos. Com 20 unidades geradoras e 14.000 MW de potência instalada, a Itaipu Binacional registrou em 2016 o recorde mundial de 103 milhões de MWh gerados, abastecendo 17% do consumo do Brasil e 76% do Paraguai.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia