Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Criptomoedas

Notícia da edição impressa de 21/11/2017. Alterada em 20/11 às 21h39min

Bitcoin quebra recorde ao superar US$ 8 mil

Segundo analistas, supervalorização ocorre pela ampliação da demanda institucional

Segundo analistas, supervalorização ocorre pela ampliação da demanda institucional


/VISUALHUNT/DIVULGAÇÃO/JC
O bitcoin voltou a quebrar mais um recorde ontem e ultrapassou os US$ 8 mil, chegando à cotação máxima de US$ 8.263,01, de acordo com a CoinDesk, uma das maiores consultorias de moedas virtuais. No acumulado de 12 meses, o bitcoin aponta valorização de 1000%, com o valor de mercado chegando a US$ 136,6 bilhões.
De acordo com analistas, o novo recorde se deu por causa da maior demanda institucional pela criptomoeda. Nesta segunda-feira, o CME Group detalhou os planos para o início das vendas de contratos futuros baseados em bitcoin, que deverá começar no dia 11 de dezembro, caso não haja contratempos regulatórios. Cada contrato será composto por 5 BTC e utilizará os índices de preço de bitcoin já existentes no CME Group.
Ao longo de 2017, o bitcoin renovou máximas sequenciais, ainda que de forma extremamente volátil, o que despertou curiosidade dos mais variados públicos, de grandes banqueiros a pequenos investidores. Para o diretor executivo do Morgan Stanley, James Gorman, o bitcoin é, por definição, "especulativo". "Qualquer um que acredite estar comprando um investimento estável está se iludindo", disse em entrevista ao canal CNBC na semana passada. Em outubro, seu colega do J.P.Morgan Chase, Jamie Dimon, um dos críticos mais ferrenhos da moeda virtual, chamou a moeda virtual de "fraude".
Diante das recentes discussões sobre a legalidade do bitcoin, o Banco Central do Brasil publicou na última quinta-feira um comunicado alertando para os riscos decorrentes das operações com criptomoedas. "Não foi identificada, até a presente data, pelos organismos internacionais, a necessidade de regulamentação desses ativos", disse a autoridade monetária no comunicado. No Brasil, o preço de um único bitcoin passou de R$ 28 mil nesta segunda-feira nas duas maiores bolsas de moedas virtuais, a Mercado Bitcoin e a FoxBit.
A ausência de um órgão regulador, no entanto, não parece afetar os entusiastas das moedas virtuais - muito pelo contrário. Associado a atividades ilegais desde a sua criação, o bitcoin está aos poucos conseguindo mudar essa imagem após receber votos de confiança de grandes empresas que passaram a aceitar a moeda como forma de pagamento, como a Microsoft, Dell, Wikipedia, Tesla, entre outras. Além disso, rumores do mercado financeiro apontam que o Goldman Sachs estaria avaliando uma nova operação de negociação dedicada a moedas virtuais.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia