Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Alterada em 16/11 às 14h45min

Exportações da indústria gaúcha têm maior alta desde janeiro

Parte dessa elevação industrial se deve ao maior número de dias úteis no mês passado

Parte dessa elevação industrial se deve ao maior número de dias úteis no mês passado


CLAITON DORNELLES/JC
O setor industrial gaúcho embarcou US$ 1,24 bilhão em outubro, registrando uma alta de 18,7% na comparação com o mesmo mês de 2016 e gerando a maior contribuição para o saldo final agregado. Para a indústria de transformação, esse aumento nas vendas externas é a maior taxa já registrada no comparativo interanual desde janeiro (21,2%).
Ainda assim, o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Porcello Petry, recomenda atenção ao avaliar os dados. "O resultado positivo deve ser visto com cautela, uma vez que a expectativa é de que as exportações da indústria encerrem 2017 com crescimento marginal em relação a 2016. Precisamos elevar em aproximadamente 20% os nossos embarques somente para devolvermos as perdas incorridas pelo setor desde 2012”, observa Petry.
Conforme a Fiergs, parte dessa elevação industrial se deve ao maior número de dias úteis no mês passado (21) em relação ao mesmo mês de 2016 (20). Também a pequena base de comparação ajudou na composição da taxa: em outubro do ano passado, as vendas externas do setor secundário haviam sido as menores para o mês desde 2006.
Por segmento industrial, dos 23 que registraram alguma operação de exportação em outubro, 16 tiveram alta, seis mantiveram-se estáveis e apenas um caiu. A queda se deu em Celulose e papel (-46,7%), por conta dos danos em uma das caldeiras de recuperação da CMPC Celulose Riograndense, em Guaíba. Já o grupo dos produtos básicos, cujas vendas no exterior alcançaram US$ 341 milhões, cresceu 72,2% no período por conta do desempenho da soja (+71,4%).
No dado geral, as exportações do Rio Grande do Sul somaram US$ 1,59 bilhão em outubro, crescimento de 27,2% em relação ao mesmo mês de 2016 - influenciadas principalmente pela expansão das vendas de Alimentos (23,9%), Tabaco (17,3%), Veículos automotores, reboques e carrocerias (48,2%) e Químicos (16,3%).
Entre os países compradores de produtos do Rio Grande do Sul, o maior destaque continuou com a China, que adquiriu US$ 407,5 milhões no mês, 15,7% a mais que no mesmo período do ano passado. A Argentina foi o segundo principal destino das exportações do RS: comprou US$ 182,5 milhões, aumento de 73,8%. Estados Unidos, com US$ 98,8 milhões (18,7%), seguiram em terceiro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia