Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 10/11 às 12h51min

Passagens aéreas sobem 7,19% no IPCA e pressionam Serviços, mostra IBGE

Procon vai fiscalizar cobrança de taxas de bagagem no aeroporto Salgado Filho nesta sexta.

Procon vai fiscalizar cobrança de taxas de bagagem no aeroporto Salgado Filho nesta sexta.


MARCELO G. RIBEIRO/JC
O encarecimento das passagens aéreas puxou a alta de 0,49% nas despesas das famílias com Transportes em outubro, segundo os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As tarifas aéreas subiram 7,19%, o equivalente a um impacto de 0,03 ponto porcentual sobre a alta de 0,42% no IPCA do mês.
Os combustíveis também aumentaram em outubro. O etanol ficou 1,13% mais caro, o equivalente a uma contribuição de 0,01 ponto porcentual sobre a inflação, e a gasolina subiu 0,24%, também um impacto de 0,01 ponto porcentual.
O aumento de 7,19% nas passagens aéreas em outubro foi mais brando que o de setembro (21,90%), mas ainda pressionou a inflação de Serviços dentro do IPCA
A inflação passou de 0,50% em setembro para 0,37% em outubro. A taxa acumulada em 12 meses diminuiu de 4,99% para 4,88% no período.
Por outro lado, os aumentos na energia elétrica (3,28%) e no gás de botijão (4,49%) puxaram a aceleração da inflação de bens e serviços monitorados, que passou de 0,24% em setembro para 0,98% em outubro.
A taxa acumulada em 12 meses pela inflação de bens e serviços monitorados subiu de 6,12% em setembro para 6,59% em outubro.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia